quarta-feira, 31 de outubro de 2007

Tim Festival 2007 - Show a show

Além de ter sido o mais caro e mais desorganizado Tim Festival da história, o evento desse ano pecou no ponto que diferencia um bom festival da picaretagem: a qualidade do som. Quase todos os shows que assisti começaram com algum problema grave, que foi ajustado durante a apresentação.

Bom, parei de reclamar, agora vou contar toda a minha saga.

Cheguei ao Marina da Glória 5 minutos antes do primeiro show que eu ia assistir: Anthony and the Johnsons abrindo para a Bjork. O show foi muito bonito, rápido e quente. O ar condicionado geladinho de outrora, dessa vez não deu onda nem antes do primeiro show começar. O som estava baixo, e acho que teria sido mais apropriado que fosse feito para um público menor e com platéia sentada. Não consegui tirar boas fotos, pois a iluminação do palco fraquinha e eu não tenho a manha de tirar foto no escuro.

Intervalo. Logo o show da Bjork começou. Esse provavelmente foi o melhor show dos que eu fui esse ano. Devo dizer que inclusive foi surpreendente. Eu já estava criando uma preguiça da Bjork, mas o show foi tão sensacional, colorido, animado, com um set list de primeira, que eu voltei a gostar dela. Bjork tocou uma das minhas preferidas, Hyper Ballad, e durante essa música o show tomou outro rumo, mais eletrônico e pesado. A voz dela é impecável.

Tim Festival 2007 - Bjork

Tim Festival 2007 - Bjork

Depois de ver a verdadeira diva no palco Tim Volta, fui pro palco erroneamente denominado Divas. Aliás, esse palco foi puro desastre, começando pelo cancelamento do show da Feist em cima da hora. Resolveram substituir com o Anthony and the Johnsons. O próprio Anthony brincou dizendo: “As you can see, I am not Feist. She is much skinnier than me. That bitch!”. Bem humorado, Anthony repetiu o show de mais cedo, com algumas modificações no set list. Nesse eu consegui tirar algumas fotos.

Tim Festival 2007 - Antony and The Johnsons

Durante o show recebi informações dos meus insiders de que o show do Arctic Monkeys estava prestes a começar no outro palco. Fui correndo e entrei rapidinho, já que a fila monstruosa que se formava desde cedo já tinha acabado.

O show começou com a voz do Alex Turner cheia de eco. Um horror. Depois consertaram. Aí o show ficou bom mesmo! Um hit emendando no outro. Tudo muito bem ensaiado, cheio de energia e apesar de não serem extravagantes na performance, esses meninos estavam fazendo um belo show.

Tim Festival 2007 - Arctic Monkeys

Inesperadamente, mais um informante me avisou que o show da Cat Power começava no palco Divas. Achei estranho, já que depois de Antony, ainda teria o show da Cibelle e só depois o da Chan, o que daria tempo de sobra para ver os Arctic Monkeys até o fim. Sai durante a ótima “Fluorescent Adolescent”, e perdi uma das minhas preferidas, “Choo, choo”.

Corri debaixo de chuva e cheguei depois que a Cat Power já tinha tocado umas 5 músicas. Muito linda, vestindo luvinhas Chanel e um gravata dispensável, a cantora fez um show animado, numa onda bem blues, tocou covers e fez dancinhas. Muito expressiva, ela demonstrou carinho pelo público. Infelizmente, mais uma vez, a qualidade do som deixou a desejar. A voz de Chan muitas vezes ficou escondida por outros instrumentos. Mesmo assim foi lindo. Só faltou ela pegar um sabonete e falar: "Sou uma Diva!"

Tim Festival 2007 - Cat Power

Saí e fui encontrar amigos perdidos para ir embora, e qual não é a minha surpresa quando uma voz anuncia que a Cibelle ainda ia tocar no palco Divas. Ah... francamente. Aí eu achei palhaçada. Não que eu estivesse a fim de ver o show dela, mas isso foi o atestado da desorganização.

De qualquer forma, a competência dos artistas superou a falta de competência dos organizadores, e o resultado foi bom. Voltei pra casa morta, faminta, mas feliz.

No outro dia fui para ver apenas o show do Killers, que na verdade eu acho bem farofento, mas tem perfil de banda boa ao vivo.

O trânsito caótico e um taxista duvidoso me fizeram chegar atrasada pro show da Juliette and the Licks, que abria para os Killers. Achei até bom ter chegado atrasada. Apesar de eu não saber apontar o que exatamente está errado, achei que não convence. Na verdade a banda é bem correta, segue direitinho a cartilha de como fazer uma banda de rock, mas exatamente por seguir cartilha, não é rock and roll de verdade. A melhor definição foi a da minha amiga Grá: parece banda de filme.

Tim Festival 2007 - Juliette and The Licks

Depois veio Killers com um show realmente animado, um público insandecido, e bem comandado pelo front man. Eu não conhecia muitas músicas, mas me diverti. No entanto saí do show me perguntando se eu não devia ter vendido o ingresso na porta. Ainda mais depois que eu soube que o preço de mercado informal havia atingido os R$225!

Tim Festival 2007 - The Killers

Quem quiser ver mais fotos que eu tirei, visite o flickr. Quem quiser usar fotos, favor DAR O CRÉDITO! E de preferência me avisar que usou.