segunda-feira, 11 de setembro de 2006

Campari Rock em BH

Sábado foi o dia do tão esperado Campari Rock. A versão belorizontina foi um fiasco de público. Tento em vista o meu conforto, não tenho o que reclamar. Nada melhor do que bastante espaço entre você e o desconhecido mais próximo e a ausência de suor, que aliás são coisas bastante suecas. Mas sinto pelos pobres integrantes do Cardigans que resolveram fechar a turnê aqui e pelo Gang of Four que deve ter tido o show mais vazio de toda a sua longa carreira. Mesmo com bem menos da lotação do local, as apresentações foram bastante animadas.

Infelizmente não cheguei a tempo de assistir o Digitaria. Vai ter que ficar para a próxima.

Nina Person, maravilhosamente penteada e maquiada foi obviamente o centro das atenções, a não ser a daquelas pessoas que não conseguiam desgrudar os olhos do não-penteado-e-nao-maquiado-mas-ainda-assim-belo baterista.

A voz de Nina me impressionou. Comparando-a com as gravações, ao vivo ela é bem mais poderosa e explosiva. Nunca achei que ela tivesse essa capacidade. A voz está léguas mais madura e encorpada. Perdeu muito do caráter infantil do início de carreira. O que não são anos de experiência, não é mesmo minha gente?

Agora uma pausa para pegar fôlego. O show do Gang of Four foi incrível ou o quê? Meu deus, o que foi aquilo? Olha que eu nem sou tão fã de Gang of Four assim, eu nem existia quando eles surgiram. Mesmo com a platéia ainda mais vazia do que no show do Cardigans a banda de senhores arrasou. Com energia de sobra, essa foi uma das melhores performances ao vivo que já presenciei.

O som, apesar de estar baixo e da acústica do local não ter ajudado muito, era intenso, incisivo e incansável. O público se mexeu do começo ao fim, mas foi durante o hit “Damage Goods” que todo mundo foi à loucura. Daí até a última música ninguém mais sossegou.

Depois do bis, muita gente como eu não se contentou em ir pra casa, e se espremeram nos 15 metros quadrados da Obra para dançar hits incansavelmente até o sol raiar. Essa é uma noite que vai ficar cuidadosamente guardada nesse coração rock sujo.

Ah, e sobre as fotos. Desculpa aí mas ainda não arrumei uma câmera nova e fotos de celular fedem.