quarta-feira, 27 de setembro de 2006

Novo site do Tim Festival e blog

Fui fazer uma breve visita ao site do Tim Festival 2006 para verificar a disponibilidade de ingressos e fiquei surpresa ao verificar que o site mudou. Ficou muito bom, mas o mais legal é o blog que fala sobre os artistas que vão se apresentar na edição de 2006. Além disso, na home diz-se que vai entrar no ar uma parte alimentada pelos visitantes. Gostei.

segunda-feira, 25 de setembro de 2006

Blog Síncope de roupa nova

A surpresa que eu estava preparando é essa aí, o layout novo para o blog. Demorou, eu sou muito indecisa, mas agora já foi. Espero que gostem, e se tiverem críticas e se eu achá-las pertinentes, faço as mudanças necessárias.

Agora volto a postar com frequência. Apareçam também com frequência.

quinta-feira, 21 de setembro de 2006

Charlotte Gainsbourg

Ando preparando uma grande surpresa para o blog Síncope. É por isso que o ritmo aqui anda meio lento nos últimos dias. Nem tive a oportunidade de comentar sobre o problema do show do Franz em SP e tirar onda com quem foi afetado pela confusão. Afinal, posso dizer que fui ao melhor show dos Franz já realizado na face da terra (preciso dizer qual?). Só estou falando que eu fui. Só eu e mais 1999 pessoas. Só pra deixar claro que eu fui. E dizer que eu tenho dó de quem não foi. Pronto, parei. :P

Também não deu tempo de contar como foi a discussão sobre música no Stereomundo de terça-feira, mas posso dizer que quem não foi come cocô, como costuma dizer o amigo Tacio.

Bom, para não deixar o blog jogado aas traças (alguém me ensina como fazer crase nessa porqueira de maquintox?), eu coloco aqui um videozinho pela metade porque não consegui achar inteiro, da filha do Serge Gainsbourg, a Charlotte Gainsbourg, atriz que lança seu primeiro disco agora. Dizem que é bem bom. Ainda não ouvi.



Estou sem a trés belle "Je t`aime, moi non plus" do Serge Gainsbourg aqui nesse computador, mas em breve coloco aqui para quem não conhece.

terça-feira, 19 de setembro de 2006

Clap your hands say yeah!

Rolou um boato que eles tocariam no Tim. É uma pena que foi apenas um boato.
O ótimo disco deles é lançado agora no Brasil e eu falo sobre ele aqui no Pílula Pop.

domingo, 17 de setembro de 2006

9 anos de Obra e a camiseta comemorativa

Um dia desses, eu estava assistindo o programa da Oprah (sim, além de ler blogs de fofoca eu assisto a Oprah) e o tema do dia era pessoas que ficaram milionárias. Ela mostrou um cara que criou uma empresa de caça a tesouros, achou um navio carregado de ouro no fundo do mar e ficou milionário. O outro foi fazer sorvete em casa pro filho e, para congelar o negócio mais rápido, usou nitrogênio líquido (ou algo do tipo) e criou sorvetes em bolinhas, tipo aquele chocolate Chumbinho, só que menor. Aquilo fez um sucesso incrível e ele também ficou milionário.

Mas a história que mais me impressionou foi a de uma mulher que estava desempregada e pra passar o tempo começou a participar de todas as promoções que ela via no jornal, na revista, no rádio e tal. Ela ganhou tantos prêmios que mobiliou a casa dela inteira, ganhou TV, DVD, som, tudo que você possa imaginar. Um dia ela ganhou um barco que valia meio milhão de dólares e alguns meses depois, ganhou um prêmio de 1 milhão de dólares. Ela contou que fez disso a sua profissão. Todos os dias ela acorda, pega o jornal ou liga o computador, vê todas as promoções que estão rolando no dia e se inscreve em todas elas. A mulher fica o dia inteiro procurando e participando de promoções.

Então a Oprah falou com a dona que ela devia ser muito sortuda. Ela respondeu que não, que na verdade aquilo não tem nada a ver com sorte, mas sim com persistência e que por isso todo mundo podia ganhar como ela. Ela explicou que a maioria das pessoas não participa de promoções porque acha que não vai ganhar, então a concorrência é pequena. Disse também que proporcionalmente ela ganha tanto quanto qualquer pessoa, mas como ela participa de todas as promoções que acontecem nos EUA, o número total de prêmios fica grande.

Eu sempre fui cética em relação a promoções, achava que só o sobrinho do dono ganhava, então não participava de nenhuma. Depois desse programa minha vida mudou. É claro que não fiz disso minha profissão, tampouco fiquei milionária, mas esses dias eu ganhei um prêmio que é tão divertido que vale márdiumilhão.

O negócio era criar uma estampa para a camiseta que os funcionários da Obra usarão no próximo ano. Eu que freqüento aquele lugar assiduamente há tantos anos e nos últimos tempos com uma freqüência mais que semanal, pensei que ganhar o prêmio de entrada grátis durante seis meses seria bastante agradável. Eu e dois amigos mandamos nossos trabalhos com o combinado de que se algum de nós ganhasse, revezaria os outros dois como acompanhantes.

Participamos e não é que eu ganhei? Essa é a que eu mandei:

marca_aobra_9anos copy

E aqui você pode ver as dos outros cinco finalistas.

Fiquei super feliz com o resultado porque, além dos seis meses sem pagar entrada, é uma verdadeira honra ter um desenho meu estampado na camiseta da Obra, um lugar tão importante para a música independente e alternativa.

Quem é de BH pode comemorar comigo ou rir da minha cara recebendo o prêmio na festa de aniversário da Obra que acontece no próximo sábado no Lapa Multishow. Ó o flyer aí:

obra9anosmala

quinta-feira, 14 de setembro de 2006

Agora sim: fotos do Campari Rock BH

O colhega de Brasília Demian Moura veio a BH para assitir o Campari Rock. Ele foi muito simpatico e enviou as fotos que tirou no dia para ilustrar o blog Síncope.

As fotos ficaram muito boas. Dá para ver detalhes como o relogio gigante da Nina:

nina

A cara de apendicite do Peter:

sapo

Uma boa visão panorâmica dos Cardigans no palco:

panorama

E a dança do aviãozinho, um dos vários passos de dança executados pelo John King:

gang

O Demian tem um portfolio de fotos muito legal no www.demianmoura.com

terça-feira, 12 de setembro de 2006

Tim Festival 2006 - Ingressos à venda

Começaram a ser vendidos hoje os ingressos para o evento de música mais legal do Brasil. Você pode comprar pelo site do Ticketmaster, ou nos pontos de venda em várias cidades. Para quem é de BH, má notícia. Parece que o postinho que era o único ponto de venda na cidade, já não é mais.

Eu acabei de comprar os meus pela net. No dia 27 vou no Daftpunk. No dia 28 fui ousada e comprei para dois palcos. Um que tem Bonde do Role, TV on the Radio e Thievery Corporation e outro com Mombojó, Patti Smith e Yeah, yeah, yeahs. No dia 29, para fechar e desmaiar, The Beastie Booooooys, além de Instituto e DJ Shadow.

Só achei que a inflação do ano passado pra esse foi a maior de todos os tempos. Os ingressos mais que dobraram de preço, se é que me lembro bem. Pelo menos hoje em dia dá para comprar meia pelo Ticketmaster.

***
Não se esqueçam da palestra do Hemano Vianna hoje, hein? Imperdível.

***
O CSS está realmente conquistando os corações gringos. Olha o que diz esse blog que é o meu favorito sobre música em língua inglesa. E teve esse aqui também há um tempo.

segunda-feira, 11 de setembro de 2006

Campari Rock em BH

Sábado foi o dia do tão esperado Campari Rock. A versão belorizontina foi um fiasco de público. Tento em vista o meu conforto, não tenho o que reclamar. Nada melhor do que bastante espaço entre você e o desconhecido mais próximo e a ausência de suor, que aliás são coisas bastante suecas. Mas sinto pelos pobres integrantes do Cardigans que resolveram fechar a turnê aqui e pelo Gang of Four que deve ter tido o show mais vazio de toda a sua longa carreira. Mesmo com bem menos da lotação do local, as apresentações foram bastante animadas.

Infelizmente não cheguei a tempo de assistir o Digitaria. Vai ter que ficar para a próxima.

Nina Person, maravilhosamente penteada e maquiada foi obviamente o centro das atenções, a não ser a daquelas pessoas que não conseguiam desgrudar os olhos do não-penteado-e-nao-maquiado-mas-ainda-assim-belo baterista.

A voz de Nina me impressionou. Comparando-a com as gravações, ao vivo ela é bem mais poderosa e explosiva. Nunca achei que ela tivesse essa capacidade. A voz está léguas mais madura e encorpada. Perdeu muito do caráter infantil do início de carreira. O que não são anos de experiência, não é mesmo minha gente?

Agora uma pausa para pegar fôlego. O show do Gang of Four foi incrível ou o quê? Meu deus, o que foi aquilo? Olha que eu nem sou tão fã de Gang of Four assim, eu nem existia quando eles surgiram. Mesmo com a platéia ainda mais vazia do que no show do Cardigans a banda de senhores arrasou. Com energia de sobra, essa foi uma das melhores performances ao vivo que já presenciei.

O som, apesar de estar baixo e da acústica do local não ter ajudado muito, era intenso, incisivo e incansável. O público se mexeu do começo ao fim, mas foi durante o hit “Damage Goods” que todo mundo foi à loucura. Daí até a última música ninguém mais sossegou.

Depois do bis, muita gente como eu não se contentou em ir pra casa, e se espremeram nos 15 metros quadrados da Obra para dançar hits incansavelmente até o sol raiar. Essa é uma noite que vai ficar cuidadosamente guardada nesse coração rock sujo.

Ah, e sobre as fotos. Desculpa aí mas ainda não arrumei uma câmera nova e fotos de celular fedem.

quinta-feira, 7 de setembro de 2006

Ciclo de debates Stereomundo

Um dos primeiros links que eu coloquei nesse blog ali na coluna da direita foi o site Overmundo. Esse é um bem-sucedido exemplo do que é a Web 2.0. Com o surgimento de sites como esse a tão falada interatividade subiu um degrau. Um degrauzão para falar a verdade. Esses sites só existem graças à participação do usuário e dependem dos mesmos para crescer e se desenvolver.

Então, voltando ao Overmundo. Ele entrou no ar há menos de um ano eu acredito, e hoje já tem mais de 5000 pessoas cadastradas, todas elas possíveis colaboradores. É um verdadeiro banco cultural e eu virei fã assumida.

O Overmundo se juntou ao Projeto Estereoteca para promover um ciclo de debates chamado de Stereomundo. Esses debates acontecerão todas as terças-feiras de setembro a partir das 19h, no Teatro da Biblioteca Pública, que fica na praça da Liberdade em BH. A entrada é providencialmente franca.

Na próxima semana o Stereomundo tem Hermano Vianna, o pai do Overmundo, como palestrante. Eu não perco essa por absolutamente nada. E ninguém deveria. Hermano Vianna vai tratar de temas ligados à Web 2.0 e da mudança da produção cultural frente a novas tecnologias.

A indústria fonográfica é provavelmente o maior exemplo pilares derrubados por essas novas tecnologias, o que resultou em um completo desespero de quem estava se dando bem com a maneira tradicional de ganhar dinheiro com música. Acho que eles até hoje não passaram da fase de negação e por isso continuam pregando a anti-pirataria, como eles gostam de chamar. Ficam dizendo umas coisas desconexas tipo “não roube música” e “pirataria é crime”.

Já passou da hora de mudar o discurso e é por isso que eu vou lá ouvir o Hermano Viana falar. Afinal, ninguém melhor do que um antropólogo, pesquisador musical e criador do Overmundo para tratar desse assunto.

A primeira semana eu perdi, mas não repetirei o erro. Olha só a programação completa:

stereomundo_virtual_complet

quarta-feira, 6 de setembro de 2006

Nick Zinner, o salvador

Parece que meus dias de sofrimento acabaram. Ontem recebi uma notícia incrivelmente maravilhosa que pode resolver a problemática YYYs e TVoR.

Eles têm o mesmo guitarrista! E se eles têm o mesmo guitarrista, e se o guitarrista não tem poderes extra-sensoriais, ele não pode estar em dois lugares ao mesmo tempo. Desta forma, os shows não serão exatamente simultâneos e eu poderei comparecer aos dois.

O meu único medo é que alguém resolva colocar um guitarrista substituto no lugar do Nick Zinner no show do TVoR para poupar o pobre homem da estafa de fazer dois shows seguidos. Ainda mais que Nick Zinner não é o único guitarrista do TV on the Radio, mas é o único do YYYs.

terça-feira, 5 de setembro de 2006

Dicas úteis

Hoje eu tenho dois blogs interessantes para recomendar. Um é o Revoluttion, blog escrito por Marcelo Costa que é editor do Scream and Yell. Lá ele comenta, ou melhor, disseca discos todas as segundas e quintas.

O outro é extremamente útil e se chama The Hype Machine. Mas o melhor mesmo é o slogan: “It’s like a radio that doesn’t suck”. Ele é um agregador de blogs de música. Lá você encontra links para blogs do mundo inteiro que têm música para ouvir e baixar. Acabei de achar o novo do Rapture facinho, facinho em um blog em italiaaaano. Eu, que sei falar perfeitamente as palavras prego e mangiare, e até a complexa frase “dové la chiave de la chiesa chiusa?”, me virei muito bem e consegui baixar o disco completo.

***
Eu ia falar sobre o mocinho do Ladytron e seu djset no sábado, mas não vale a pena. Só digo que a pista estava cheia quando o bigodudo entrou mas esvaziou rapidinho. Eu, que sou trash, fiquei até quase o final e a coisa até que melhorou lá pras 5 da manhã, isso que dizer que ficou menos eletrônico e mais rock. Pelo que me lembro...