quarta-feira, 1 de fevereiro de 2006

Graham Coxon, Blur e Coachella

Graham Coxon, ex-guitarrista do Blur, lançará mais um disco solo novo em março chamado Love travel at illegal speeds. Consegui assistir ao video-clipe da nova "Standing on my own again" no site da NME, mas acho que não está rolando mais.

Essa foi a primeira música da carreira de Coxon que escutei e fiquei bastante decepcionada. Trata-se de um pop/rock bastante sem-graça. Não mostra nada de novo, tem riffs beeeeem manjados e melodia fácil. Se tivesse sido gravada por uma cantora-teen-gostosa-americana-touchingherselfonthevideo ou uma boyband vestida de punk, certamente seria um sucesso entre público médio adolescente.

>>Só um parênteses. Uso muito essa ótima e divertida técnica que me ajuda a abstrair da imagem (muitas vezes produzida) de uma banda ou músico e tentar dar mérito exclusivamente à sua música. Imagino uma classe de artistas ou um artista específico que eu não respeito gravando aquela música. Se encaixar, pronto. A antipatia está perpetuada. Se mesmo assim eu continuar respeitando e gostando do som, viro fã.>>

Ok, ainda não aceito que o Graham Coxon tenha feito uma música desse tipo, portanto vou escutar outras de suas composições para falar com propriedade sobre a talvez equivocada carreira solo do músico.

Também no NME ele dá seu depoimento sobre o Blur e Damon Alban. Diz que não tem mais contato com seu ex-bandmate e que está so over the band já que essa só fazia sentido para ele há dez anos atrás.

Apesar de tudo, está participando, junto com o Bloc Party, de um projeto inglês chamado Desert Sessions que já teve P.J. Harvey e Bjork no seu início.

***
Damon Albarn, por outro lado, está a todo vapor e bem-sucedido. Além dos ultra conhecidos Blur e Gorillaz, ele teve um outro projeto chamado Mali Music agora e está trabalhando no seu primeiro álbum solo.

Uma boa notícia é que o Blur, sem Graham Coxon mas com guitarrista extra, está preparando um novo disco que pode sair ainda esse ano. Três vivas.

***
Foi publicado o lineup oficial do festival Coachella desse ano. É claro que é de matar qualquer um do coração. Sigur Ros, TV on the Radio e Clap your Hands são apenas algumas das 70 atrações incríveis que vão rolar durante 2 dias. Vamos sentar e chorar:

Primeiro Dia:
Depeche Mode
Franz Ferdinand
Sigur Ros
Common
Damien Marley
Atmosphere
Carl Cox
My Morning Jacket
Ladytron
Clap Your Hands Say Yeah!
Posca
Cat Power
Animal Collective
Hard-Fi
Devendra Banhart
She Wants Revenge
The Walkmen
The Juan Maclean
Audio Bullys
Lady Sovereign
Deerhoof
The Duke Spirit
Editors
Stellastarr
Lyrics Born
The Zutons
White Rose Movement
Colette
Wolf Mother
The Living Things
Nine Black Alps
Youth Group

Segundo Dia:
Tool
Yeah Yeah Yeahs
Bloc Party
Paul Oakenfold
Scissor Sisters
Matias Yahu
James Blunt
Mogwai
TV On The Radio
Sleater Kinney
Gnarls Barkley (Danger Mouse and Cee-Lo)
Coldcut
Digable Planets
Amadou Mariam
Little Louie Vega
Mylo
Seu Jorge
Phoenix
Wolf Parade
The Go! Team
Metric
Imogene Heap
Art Brut
Dungen
The Dears
Jamie Liddell
The Magic Numbers
Los Amigos Invisibles
Jazzanova
Michael Mayer
Mates of State
Gilles Peterson
Gabriel & Dresden
The Subways
Minus the Bear
Be Your Own Pet
Giant Drag

Detalhe, o que o traidor do Seu Jorge está fazendo na lista? Depois das suas versões traduzidas de David Bowie ele devia ser banido do meio e sua carteirinha de músico queimada.