segunda-feira, 30 de janeiro de 2006

Show do Franz Ferdinand, the Ladies e Grandaddy

Ufa! Ingressos comprados sem stress para o show do Franz Ferdinand no Circo Voador. Acho que vai ser fino. Para mim, show agora é só assim. Não sei se é maturidade chegando ou se é frescura mesmo, mas esse negócio de mega-shows não me pega mais. Imagina! Ver os Rolling Stones na praia junto com 1 milhao e meio de pessoas? Ou brigar por uns míseros ingressos para ver o U2 menor do que um caroço de azeitona? Sinceramente, não entendo o propósito desse tipo de coisa.

Desculpem-me a pieguice, mas para mim, a experiência de um show é algo quase que transcendental. É um momento único entre o público e o artista. Os melhores shows são aqueles em que acontece uma identificação e interesse recíproco entre quem está em cima do palco e a platéia. Mega-shows impossibilitam esse tipo de relação. O público fica muito disperso e a magia vai por água abaixo. Simplesmente não vejo o propósito.

Franz Ferdinand vai ter um público de apenas 2.500 pessoas, em um lugar que eu ainda não conheço, mas que me garantem que é um sucesso. Só não vai ter ar condicionado e carpete vermelho como o Tim, mas está valendo.

***
Resolvi escutar a rádio de female vocalists da Last.fm. Tive algumas boas surpresas e ótimas lembranças.

As novidades para mim foram:
• CocoRosie: as irmãs Sierra e Bianca Casady fazem um freaky-folk bem bacana. Já está no meu top 5 da semana, bem ali no canto superior direito deste blog.
• Sia : voz super rouca super charmosa. Destaque pra faixa Breath Me que foi trilha sonora da série Six Feet Under.
• Azure Ray: som bem calmo e bonito. Às vezes lembra Aimee Mann. O EP New Resolution tem um remix feito por Jimmy Tamborello (Dntel e PostalService). Essa observação é uma homenagem ao coleg@ anônimo que comentou no último post.
• Joanna Newsom: mas que vozinha mais esquisita! Num momento soa bem infantil e em seguida parece que a Marge Simpsom está fazendo participação especial no disco. Mas toda essa esquisitice tem um resultado bem interessante.

E as lembranças:
Jewel: tá bom, admito que passe do limite folk e tende pro country, mas as músicas são ótimas assim como a voz da Jewel.
Tori Amos: Sempre gostei, mas conheço pouco para o tanto de coisa gravada que ela tem. Vou me esforçar e escutar mais.

***
Nota: O Grandaddy anunciou o seu fim depois de quase 15 anos de existência. O último disco da banda será lançado em maio e se chamará Just Like the Fambly Cat.
Grandaddy é uma banda que me surpreendeu porque quase conseguiu fazer uma versão de Beatles melhor do que a original. É da música Revolution e está na trilha sonora de I am sam.