segunda-feira, 16 de janeiro de 2006

Extraordinary Machine - Fiona Apple

Fiona Apple está aí e está muito bem. Eu, como confessa fã que sou, fico muito feliz com todo o reconhecimento que ela vem recebendo. Estava mais do que na hora, afinal não é comum encontrar uma jovem compositora/intérprete com tamanha maturidade musical. Fiona fez seu primeiro sucesso em 1996 aos 19 anos e Tidal foi álbum de estréia. A moça estava em todo lugar, mas aqui no Brasil ela foi esquecida logo depois do primeiro hit, "Criminal".

Por causa dessa displicência, alguns anos depois do primeiro sucesso, eu já havia me esquecido da sua existência. Quando a redescobri não deu outra: viciei.

O segundo disco, When the Pawn é uma obra-prima que eu escutei e reescutei incansavelmente. A cada audição descobria alguma coisa nova, um barulinho, uma frase, uma virada de bateria, uma surpresa que me encantava. Além da música, as letras são sensacionais. Fiona não mede palavras e essa é uma das suas maiores virtudes.

Esperei ansiosamente pelo terceiro lançamento, mas nada. A informação que encontrei nos sites de fãs me deixou chocada: o terceiro disco de Fiona estava pronto desde 2002, mas nenhuma gravadora aceitava lançá-lo. Diziam que era estranho demais e absolutamente nada comercial.

Finalmente em 2005 uma a Sony resolveu apostar suas fichas em Extraordinary Machine. O disco foi recebido maravilhosamente pela crítica. Trata-se realmente de um álbum com um toque freak, mas é exatamente isso que faz dele um trabalho singular que cativou tanta gente.

Mesmo assim, o álbum possui músicas de fácil audição e que seduzem logo de cara. Eu poderia escrever linhas e mais linhas discorrendo sobre cada uma delas, mas ninguém ia ler, portanto indico as mais bacanas.

“Not About Love” é forte, crua e emocionante, características essas de muitas das canções da artista. A letra, como ja mencionei anteriormente é bem direta. "This is not about love/ couse i'm not in love/ in fact i can´t stop falling out". "Oh Sailor" é uma balada que mostra a beleza e com uma pitada de esquisitice típicas das composições de Fiona e canção título é simplesmente incrível.

O disco é lindo e mais uma vez Ms. Apple mostra sua alma agridoce sem auto-sensura. É com razão que apareceu em tantas listas de melhores discos de 2005, inclusive no primeiro lugar da Slant, da Entertainment Weekly e do New York Times. Mas preciso confessar que a menina dos meu olhos continua sendo When the Pawn, talvez porque a nossa história seja mais antiga. Mesmo assim, Extraodinary Machine tem grandes chances de desbancar o anterior dentro do meu ranking.