domingo, 31 de dezembro de 2006

Em reforma

Minha gente,

Como vocês podem ver, o blog está um pouco bagunçado. Resolvi colocar as funções do novo blogger no ar principalmente com o propósito de facilitar a navegação através de tags (ou marcadores, como estão falando por aí). Afinal, nada melhor do que tags para os posts, não é mesmo?

O problema é que o como o meu layout não é nenhum dos padrões do blogger, eu vou ter que montar tudo de novo, os estilos, os tamanhos das coisas, linkar as imagens, etecetera e tal. Não sei porque resolvi fazer isso bem hoje no dia 31 de dezembro. É óbvio que eu não consegui terminar antes da ceia, principalmente tendo em vista que uma mulher precisa de algumas horas a mais para se preparar para esse tipo de ocasião. Portanto, deixo as modificações em suspenso. Logo, logo tudo estará regularizado e funcionando muito melhor para todos nós.

=)

segunda-feira, 25 de dezembro de 2006

Notinha fúnebre: James Brown

O Natal acordou com uma notícia triste. James Brown, o godfather do soul, morreu hoje, aos 73 anos, depois de ser internado com uma severa pneumonia.

Aí vai um videozinho:

sexta-feira, 22 de dezembro de 2006

Palavrinha sobre o show do Udora

Então, minha gente... Finalmente está lá no Pílula o texto que escrevi sobre o show do Udora em Belo Horizonte, que aconteceu na quinta passada.

segunda-feira, 18 de dezembro de 2006

O bom filho sempre retorna

Na quinta feira passada a banda Udora fez seu primeiro show em Belo Horizonte depois de 4 anos. A platéia estava cheia, formada principalmente pelos fãs antigos que compareceram em massa.

Não posso deixar de comentar a falta de noção desses fãs antigos que ficaram gritando "Diesel! Diesel!" o show inteiro. Ok, eu entendo o saudosismo, mas isso é muita falta de educação com os músicos. Se os caras mudaram o nome da banda é porque a banda agora está em outra onda. Eles querem que público curta o novo som.

Bom, não vou falar agora sobre o show porque vou contar tudo em detalhes no Pílula Pop. E, se alguém aí assistiu o show, tirem uma dúvida minha. Fui ao banheiro durante a última música e quando eu voltei ouvi rumores de que uma pequeno desentendimento aconteceu no palco entre os músicos. Alguém confirma?

***
Demorei esse tempo topo para falar sobre o show do Udora porque no dia seguinte fui pro Rio dar uma descansada. Por sorte, nessa semana estava acontecendo o festival Algumas Pessoas Tentam, que recebeu a Invasão Sueca na quinta feira. Infelizmente não vi a Invasão Sueca, mas fui ao evento no sábado. Naquela noite o Espaço Cultural Hombu e o Casarão Cultural dos Arcos, que ficam pertinho um do outro, intercalaram os shows de 10 bandas, que foram os seguintes:

La Pupuña, Fanfarra Paradiso, Nervoso e os Calmantes, Fossil, Mr. Spaceman, Motormama, The Cigarettes, Supercordas, Luisa Mandou Um Beijo e Grenade.

Não assisti a todos eles, mas dos que eu assisti o que eu mais gostei foi La Pupuña com sua energia latina. Apesar do cansaço eu fiquei louca pra dançar, mas como lá só tinha indies, acabei ficando constrangida. Como é de conhecimento geral, indies não dançam. Eles encostam na parede, fazem cara de que não é comigo e aplaludem uma ou outra musica. Assoviar, nem pensar!

A noite tinha um esquema que era o seguinte: você pagava uma entrada e ficava indo do Hombu pro Casarão, do Casarão para o Hombu, para ver os shows alternados. A idéia é bem legal, ainda mais tendo em vista a grande diversidade que se pode testemunhar no bairro da Lapa. A caminhada de 20 metros de um lugar ao outro é um show à parte e contava com a participação especial de um bêbado que desmaiado entre dançarinos de funk, travestis, indies com suas mochilinhas.

O problema desse esquema foi que não era permitido entrar nas casas com cerveja de fora. Então, o que acontecia era o seguinte. Você comprava uma cerveja e quando eu estava no meio dela o show acabava (os shows eram curtos pra gente agüentar 10 numa noite só). Imediatamente, se não um pouco antes, o próximo show começava, em outro lugar. Eu tinha que abrir mão, ou da cerveja, ou do show. Muito mal articulado isso. Acabei ficando expert em transportar latinhas de cerveja abertas dentro da bolsa.

terça-feira, 12 de dezembro de 2006

Isto não é uma lista de fim de ano

É inevitável fazer as famosas listinhas dos melhores e piores quando o ano vai chegando ao fim. Mas essa ainda não é uma das minhas. Por enquanto só venho dar algumas dicas de blogs de música que eu ando lendo:

Music for Robots
Tiny Mixtapes
Stereogum
The DIY Rockstar
Gorilla vs Bear

E agora a categoria de música do cokering está bombando! Está bem mais diversificada e inevitavelmente mais legal. Abaixo estão os que eu mais visito (porque são blogs que têm a ver com o tipo de música que eu gosto), mas não deixem de ir ao ring para conhecer todos os participantes.

Arcoirá
Young hotel foxtrot
Mazzacane
The Strokes Higher

Se alguém tiver alguma indicação de blog de música, deixe um comentário. :)

segunda-feira, 11 de dezembro de 2006

Zune

Finalmente a Microsoft fez alguma coisa certa.

Depois de demorar séculos para lançar seu tocador de MP3, o Zune, pelo menos acertou a mão no marketing de lançamento por meio do site Zune Arts.

Vários artistas e designers foram recrutados pelo principal competidor do Ipod para criar suas próprias peças que usam desde imagens estáticas até animação.

O resultado é uma bela e divertida combinação de estilos que traduz o que é um MP3 player.

zune

quinta-feira, 7 de dezembro de 2006

Music (?) Television Brasil

Que a MTV já desistiu do assunto música há muito tempo, isso não é novidade para ninguém. Mas agora é oficial, segundo o diretor de programação Zico Goes, que a partir de 2007 a MTV Brasil seguirá os passos da sua matriz e não contará mais com videoclipes na sua grade. Mas ninguém falou sobre abrir uma MTV2, como aconteceu nos EUA depois que a MTV1 tomou esse rumo.

Quando apareceram com aquela VJ Luiza e seu Ya Dog! eu cheguei a acreditar em uma leve volta às origens videoclipticas e comentei aqui sobre isso. Até voltei a assistir o canal durante um tempo por causa desse programa. A própria revista da MTV voltou a tratar mais de música e menos de assuntos gerais, pelo menos até quando era possível comprá-la na banca.

Segundo o Zico Goes, o as pessoas não usam mais a televisão para assistir videoclips, mas sim outros meio digitais. Será? Tenho minhas dúvidas.

Não sei se é saudosismo da minha parte, mas ainda gosto de viver alguns momentos no shuffle do VJ, ser surpreendida com um clipe em primeira mão, ter o conforto de assistí-lo em boa resolução e numa tela de vaaaaarias polegadas. O clip assistido no U Tube só serve para matar a curiosidade, e muitas vezes para curar a fissura de alguma música.

Está certo que eu não entendo nada de público alvo e provavelmente o canal comprou uma pesquisa muito cara para saber que esse era o melhor caminho (lê-se mais lucrativo). Só acho que eles deviam acabar logo com a palhaçada de continuar se chamando de Music Television. Que tal mudar para Reality Show Television, ou Low IQ Television, ou I Suck Television?

terça-feira, 5 de dezembro de 2006

Overmixter - Brasil + África do Sul

Há algumas semanas eu falei aqui do ciclo de debates Stereomundo, promovido pelo Overmundo, que aconteceu aqui em Belo Horizonte. Foi um espaço que gerou discussões ligadas à cultura e internet que ainda estão num estágio inicial aqui no Brasil, principalmente nos meios não especializados.

O Overmundo é ainda um dos poucos sites brasileiros considerados web 2.0, mas com certeza é um dos mais interessantes de toda a rede. Ele combina várias técnicas utilizadas em sites de conteúdo colaborativo pelo mundo afora, o que torna a troca de conhecimento bastante eficiente e funcional.

Agora o Overmundo está promovendo o Overmixter.

O Overmixter é uma parceria entre o CC Mixter e o Overmundo. Assim como a sua versão americana, o Overmixter é um espaço para músicos, djs e bandas compartilharem samples, vocais e remixes. Tudo licenciado em Creative Commons.

Para comemorar esse espaço, está sendo lançado junto com o projeto o Overmix BraSA, um concurso de remixes entre Brasil e África do Sul. O vencedor da África vem tocar no Brasil, e o vencedor brasileiro vai para Johanesburgo, na África do Sul, tocar em um dos mais animados festivais de música eletrônica do país. Brasil e África se remixando! (Aliás, o que acontece desde sempre). Confira o regulamento na página do Overmixter: as inscrições vão até janeiro de 2007.

Como o Overmixter é parte integrante do Overmundo, quem já possui cadastro no último é só utilizar o mesmo login e senha. O Overmixter é um canal de divulgação, produção e diversão. Baixe, remixe, disponibilize, troque.

quarta-feira, 29 de novembro de 2006

Beck - The Information

Leiam o que eu escrevi sobre o novo disco do Beck, The Information, no Pílula Pop.

sexta-feira, 24 de novembro de 2006

Não assista esse vídeo

O que diabos aconteceu com aquela jovem de atitude, que cantava numa banda de rock/ska, sobre o quanto as garotas eram menosprezadas e subestimadas, gritava, pulava, chutava e vestia calças largas? Virou uma perua funkeira platinada!

Meu deus, eu não entendo como que uma pessoa que tinha uma banda legal (pelo menos até o quinto CD) casou-se com o Gavin Rossdale, (se passou pela aprovação dele, passa pela minha também), teve um filho fofo esse ano e em poucos meses voltou à forma pré-barrigão, se submete a isso:

O blog Síncope adverte: esse vídeo pode causar enjôo, mal estar e dor de cabeça.



Cada dia fico mais impressionada com o que o dinheiro faz com as pessoas.

***

Do hip-hop, o que sempre me deixou mais boquiaberta é o break. A final do campeonato mundial de break dance acontece esse fim de semana em São Paulo. Se eu estivesse lá, nao perderia a oportunidade de ver algo desse tipo ao vivo:



Apesar de achar absurdo o que esses caras fazem, eu tenho uma tendência a gostar mais do estilo old school, principalmente os de robot dancing. Não danço isso aqui de break, mas quando eu era criança nos anos 80 eu sabia fazer o moonwalk. Acho que sou um talento disperdiçado.

domingo, 19 de novembro de 2006

Carl + Adam = Total Eclipse of the Heart

Todo mundo sabe o tamanho da minha paixão por Libertines. Mesmo depois de um ano ouvindo-os continuamente, a cada época tenho uma música deles que eu deixo no repeat. Atualmente é "Up the Bracket".

Os Libertines infelizmente não existem mais, por isso me contento com os trabalhos de Carl Barat e Pete Doherty separadamente. O Babyshambles de Pete me cativou mais a princípio, mas é zoada demais, assim como o seu frontman. De uns tempos para cá é Dirty Pretty Things o sócio majoritário dono de 51% do meu coração.

Acho que todo mundo é assim como eu: quando gosta mesmo de uma de uma banda, ou até de uma música só, escuta até a exaustão. E é graças às ferramentas internéticas que a obsessão abre as asas.

Pois bem. Lá estava eu, madrugada a dentro saciando minha loucura, com os olhos secos de ver vídeos do DPT no U Tube quando me aparece um chamado assim: "Adam Green & Carl Barat Documentary Part 2a". Na minha humilde e desinformada cabecinha achei que era um documentário feito por um tal de Adam Green sobre o Carl Barat. Assisti, não entendi nada do que o Carl Barat falava (por causa do sotaque de bêbado, imagino), mas entendi quem era Adam Green.

Depois de ouvir durante 10 dias o seu último álbum, Jacket Full Of Danger, e mais um pouco de pesquisa, me sinto capaz de fazer uma breve apresentação. Adam Green é um jovem músico de NY. Começou sua carreira numa banda chamada Moldy Peaches aos 19 anos. Moldy Peaches foi apadrinhada pela Rough Trade Records e caiu no gosto dos indies. Adam começou a carreira solo aos 22. Já tem 4 discos lançados. Seu maior hit é "Jessica" sobre Jessica Simpson. O som é um rock/folk na mesma onda de Ben Kweller, mas com umas letras bem trash.

Bom, como no momento eu praticamente só escuto DPT e Adam Green, resolvi fazer um top 5 apenas com os dois. Não conseguia decidir qual deles merecia ter 3 das 5 músicas, mas como o top 5 é meu, eu o transformei temporariamente em top 6 para resolver o problema.

Adam_green_jacket_full_of_danger

domingo, 12 de novembro de 2006

A year and a day

Ontem o Síncope fez 1 ano, soprou velinha, comeu bolo e tomou guaraná. A festinha teve até animador, uns velhinhos muito simpáticos que têm uma banda chamada New Order.

Então, sobre o show do New Order. Até ontem a tarde eu não sabia se ia ou não assisti-los, mesmo tão pertinho, aqui em BH, tendo em vista o alto nível indígena do programa. Para quem não sabe do que eu falo, explico que a apresentação fazia parte de um evento chamado Pop Rock, que rola no Mineirão, lotado por cerca de 70 mil adolescentes que curtem CPM22 e Pitty, num dia de chuva e mais frio que qualquer um do inverno deste ano.

Promovido pela 98 FM é sem dúvida o evento musical mais bem sucedido da cidade. Era minha primeira vez no PopRock e fiquei absurdada com o tamanho da coisa. Eu cheguei exatamente no meio do show anterior ao New Order, que era O Rappa. O estádio estava lotado para ver Falcão Fanho balançar seus dreads e tentar decodificar seus versos inteligíveis.

Além de bem sucedido, o evento é bastante lucrativo, principalmente quando não se paga cachê aos músicos, com exceção dos internacionais. Hum... sinto o cheirinho de jabá no ar.

Pelo menos não são só eles que são espertos. Fui comprar meu ingresso de um cambista (agora já estou superando meus traumas com cambistas) para arquibancada. Sim, estou ficando velha e já não animo de ver show debaixo de chuva, tampouco em meio a adolescentes loucos fãs de Tianastáscia. Pedi dois ingressos, mas o colega me deu três e não se tratava de uma promoção leve 3 e pague 2. Acabei vendo New Order por R$13,3333...

terça-feira, 7 de novembro de 2006

Natalie quem mesmo?

Lembra da Natalie Imbruglia que teve um único e absurdo sucesso em 97 com aquela música Torn? Pois é, olha o que o comediante Johann Lippowitz fez com ela. A música, não a Natalie. Assista até o final porque é a melhor parte:



***

O Pílula fez com a cobertura completa do Tim 2006. Eu escrevi sobre o show dos Beastie Boys.

sexta-feira, 3 de novembro de 2006

Tim Festival 2006 - Instituto, DJ Shadow e Beastie Boys

O último dia de Tim começou me surpreendendo. Eu não conhecia o som do Instituto e fiquei impressionada com a apresentação deles. O instrumental é fino e consegue passear por vários estilos numa boa.

instituto01

instituto02

Em seguida veio o DJ Shadow. Eu não curto muito show de DJ, acho uma coisa meio picareta, mas até que ele mandou bem e o público respondeu direitinho.

djshadow01

djshadow02

Aí começou o show dos Beastie Boys. Eu, que tinha ido de tênis nos dias anteriores, achei os shows tão tranquilos que no último dia resolvi ir de sapatinho. Péssima idéia. Quase perdi meu sapato umas 3 três vezes no meio do mosh generalizado que tomou conta da platéia. Além disso adquiri dois hematomas no pé direito. Mesmo assim valeu a pena. O show foi zenzazional. Escrevi sobre ele para o Pílula Pop, e assim que entrar no ar, coloco o link aqui. Enquanto isso, fique com as fotos que, também culpa do mosh generalizado, não ficaram boas:

beastieBoys07

beastieBoys06

beastieBoys05

beastieBoys01

beastieBoys02

beastieBoys03

beastieBoys04

quarta-feira, 1 de novembro de 2006

Tim Festival 2006 - Mombojó, Bonde do Rolê, TV on the Radio, Patti Smith e Yeah Yeah Yeahs

O segundo dia de festival no Marina da Glória foi movimentado. Comprei ingresso para dois palcos para tentar assistir TV on The Radio e YYYs, duas das melhores bandas atualmente.

A saga começou com o show do Mombojó no Tim Stage. Eu nunca tinha assistido a banda ao vivo e eles não me decepcionaram. O show foi muito bom, a voz do vocalista é um xuxu e o som bem mais poderoso do que na gravação, apesar de que eu só conheço o primeiro disco.

mombojo01

mombojo02

Antes de terminar saí correndo para ver se conseguia pegar uma pontinha do Bonde do Rolê no Tim Lab, mas cheguei já durante os agradecimentos. Pelo que me falaram, sorte minha. Ouvi relatos de que o show foi imundo, em todos os sentidos. Até cover de "Jaboticaba" teve.

bondedorole

Voltei correndo pro Tim Stage pra checar se Patti Smith já havia começado, mas chegando lá recebi mensagem do meu irmão dizendo que o show do TV estava começando, entao, saí correndo mais uma vez. Uma confusão na porta me fez perder o começo. Mas peguei o show quase inteiro e ele foi realmente incrível. A American Airlines perdeu os instrumentos da banda, então eles tocaram com os instrumentos do Thievery Corporation que se apresentaria em seguida.

tvontheradio02

tvontheradio01

tvontheradio03

Acabou TV on the Radio, nem fiquei pro bis, voltei pro Tim Stage e peguei a última da Patti Smith. Como eu gostaria de ter visto o show inteiro...

pattismith01

pattismith02

E por último veio o tão aguardado (pelo menos por mim) show do Yeah, yeah, yeahs. Foi sensacional, a Karen O estava animadíssima e o som bem pesado. Eu fui esperando um showzinho meio xôxo depois que vi um vídeo gravado por uma amiga de um show deles em Barcelona. Mas a banda estava euforica e parecia bastante feliz de estar se apresentar ali.

yeahyeahyeahs04

yeahyeahyeahs03

yeahyeahyeahs01

yeahyeahyeahs02

yeahyeahyeahs05

Depois ainda fui pro Tim Lab novamente e vi o final do show do Thievery, mas nem vale a pena colocar as fotos porque ficaram tosquíssimas. O set list deles me pareceu um tanto confuso, com vários estilos musicais bem diferentes intercalados.

Amanhã entra o post sobre o último dia de Tim com o show dos Beastie Boys que foi emocionante.

terça-feira, 31 de outubro de 2006

Tim Festival 2006 - Daft Punk

Esses meus dias no Rio de Janeiro me fizeram constatar 2 coisas:

1 - os motoristas de taxi e ônibus estão mais sanguinários do que nunca. Tive certeza que eu ia morrer umas duas vezes, em uma delas inclusive um amigo chegou a abrir a porta do taxi e ameaçou pular fora, mas acabou desistindo. Por um milagre chegamos sãos e salvos ao destino.

2 - bigode me parece ser a atual moda entre os modernos. Ou o dia do bigode virou sucesso no Brasil inteiro?

Então, vamos pela ordem dos acontecimentos. O primeiro show que assisti foi o do Daft Punk, uma verdadeira loucura de sons e luzes.

DaftPunk02

DaftPunk03

DaftPunk01

Durante a apresentação dos robôs descobri porque esse era o show mais caro de todos os que assisti. O público, composto principalmente de patys loiras e boys bombados, era aquele disposto a gastar qualquer quantia para ver aquela atração. E ainda mais um tanto para, digamos, entrar no clima da noite.

Esta é a primeira vez que o Tim Festival acontece no Marina da Glória. Em alguns pontos o evento melhorou, em outros piorou. Uma coisa que me pareceu infinitamente pior foi o atendimento do bar. Já era de se esperar o preço exorbitante dos produtos dentro do festival. Uma garrafinha de água, daquelas mais pequeninas, que têm um gole de peso líquido, custava $4.

Durante o show do Daft Punk resolvi pegar uma água achando que voltaria para o meu posto dentro de 10 min. A fila que saía do bar que começava em uma lateral da tenda e terminava quase no meio da platéia. Fiquei um tempo que eu nem sei mais quanto naquela fila e quando chegou a minha vez a senhora que atendia, que tinha algum défice de inteligência e possivelmente de capacidade visual, me informou que ela não tinha mais fichas de água. A água estava ali do lado, mas a burocracia da ficha me impedia de alcançá-la.

Fiquei um tanto nervosa e em outra ocasião talvez eu fizesse um escândalo, mas resolvi que isso não podia estragar minha noite e me dirigi pacientemente ao outro bar. Lá comprei 3 fichas, uma das quais eu guardei para o outro dia. Mas para finalizar a saga da água com mais bom humor, no outro dia aquela ficha não valia mais.

quinta-feira, 26 de outubro de 2006

So long, farewell, auf Wiedersehen, goodbye

Hoje me mando para o Rio de Janeiro para, como todos os anos, conferir o Tim Festival e suas ótimas atrações. Vou tentar postar alguma coisa de lá se sobrar um tempinho, mas de qualquer forma tirarei infinitas fotos para postar aqui na semana que vem.

Será que eu estou preparada para isso? [créditos]

rolling-stone-party-with-yeah-yeah-yeahs-bowery-ballroom-144

rolling-stone-party-with-yeah-yeah-yeahs-bowery-ballroom-197

Por enquanto, deixo vocês com uma resenha minha, digamos, inusitada, para o Pílula Pop.

E assim que o furacão Tim Festival passar, volto com o Manual Prático do Ouvinte Moderno.

terça-feira, 24 de outubro de 2006

Falando em Jeff Tweedy...

...achei hoje no blog Capitain's Dead um post com músicas da performance feita por ele no Rocky Mountain Folk Festival no dia 18 de agosto. A qualidade está bem boa.

Jeff Tweedy é um cara violento

Ah... como eu adoro uma baixaria no palco. Mas essa nem foi das piores.

Bom, rolou o seguinte: Wilco estava em Springfield nesta segunda-feira tocando para uma platéia animada como fez aqui no Brasil há um ano. Acontece que o Jeff Tweedy é um cara esquentado, e um tanto quanto estrela, digamos, e não aceita fãs histéricos pulando no palco, muito menos encostando nele. Aí deu nisso:



Portanto, já deixo avisado. Por mais fã de Wilco que você seja, não encoste no Jeff Tweedy. A não ser que você queira contar pros amigos que levou porrada do seu ídolo.

sexta-feira, 20 de outubro de 2006

Manual prático completo do ouvinte moderno na Web - Capítulo 3 – Sites de relacionamento

O titulo desse capítulo pode causar uma certa estranheza ao usuário comum. Quando publiquei o índice do Manual, fui até mesmo questionada quanto à pertinência desse tópico.

Penso que a explicação para tal estranheza seja o fato de que, quando se fala de sites de relacionamento, a única lembrança que vem à mente do brasileiro é o Orkut. A maioria desconhece ou se esquece da existência do site de relacionamento que mais bomba no mundo inteiro chamado MySpace.

O MySpace é maravilhoso porque nele a personalização do profile vai muito alêm de completar uma ficha para impressionar os amigos, daquelas em que os filmes favoritos são sempre franceses com menos de 2% do tempo total ocupado com aquela bobagem chamada diálogo. Com um pouco de paciência e habilidade é possível construir praticamente uma página pessoal no MySpace. É possível, por exemplo, colocar um player com músicas de sua autoria para o amigo escutar online.

Se o usuário clica no tópico Música do menu principal, vai para uma página que dá dica de bandas legais. Lá também existe uma busca por artistas e pesquisa por gêneros musicais.

Esses são alguns dos motivos que tornam o MySpace tão útil para músicos, principalmente os independentes. Alguns artistas conseguiram juntar uma significante quantidade de dólares graças ao reconhecimento atingido por meio do MySpace, apesar de todas aquelas pessoas que dizem que a internet acaba com qualquer possibilidade de ganhar dinheiro com música.

Fuçar o MySpace é imprescindível para a formação de qualquer ouvinte moderno na Web. Mas é bom ressaltar que o Orkut também tem papel importante nessa formação. Aqui inclusive, o leitor desse manual dá um grande passo já que essa lição deve ser conjugada com o que foi explicado no capítulo anterior: a disponibilidade de MP3 online.

As comunidades de artistas no Orkut são terreno fértil para discussão e ótimo lugar para encontrar dicas dos fãs de onde encontrar mp3 online, inclusive raridades. Agora mesmo estava eu na comunidade da musa Fiona Apple, quando descobri um tópico sensacional com o caminho para "Sally's Song", canção que Fiona acabou de gravar para o remake de Nightmare before Xmas.

Sem mais, essa lição fica por aqui e deixo como tarefa ouvir Sally`s Song até a exaustão. E assistir Nightmare Before Christmas, que inclusive está passando na TV esses dias.

terça-feira, 17 de outubro de 2006

Eu e o Aecinho

Queridos leitores e amigos,

Agradeço os milhares de milhares de votos que fizeram de mim uma coke master. Graças a vocês concorro aos prêmios finais do concurso da Coca-cola. Agora sô depende da minha duvidosa competência como blogueira e do número de visitas durante os próximos meses.

Voltem sempre e obrigada pela preferência.

segunda-feira, 16 de outubro de 2006

Album cover galore

Hoje eu ia postar o capitulo III do Manual, mas não vai dar.
Então, para a espera ficar menos sofrida vai esse vídeo aqui com montagens divertidas de famosas capas de disco.

terça-feira, 10 de outubro de 2006

Manual prático completo do ouvinte moderno na Web - Capítulo 2 - Blogs de MP3

Esta é uma forma relativamente recente e bastante eficiente de se conseguir música na rede. Pessoas muito boas e compartilhadoras fazem upload de discos em algum lugar da rede e deixam disponíveis para download. Um “lugar” da rede muito usado para esse propósito é o Rapidshare onde se pode deixar até 300mb de qualquer coisa para ser baixado por outras pessoas. A pessoa dona do arquivo deve passar uma senha e um login de acesso para os amigos, ou leitores dos seu blog, aí é só baixar e escutar.

Eu gosto muito desse método porque os arquivos sempre estão em perfeito estado e baixam rapidinho. A única dificuldade é achar exatamente o som que você procura. Algumas coisas são impossíveis de achar com esse método, a não ser com um pouco de sorte e uma ultra habilidade pesquisadora.

Uma boa ferramenta para encontrar música em blogs alheios é o site Hype Machine sobre o qual já falei anteriormente. Ele é um site agregador que dá o caminho para músicas postadas em blogs do mundo inteiro. É ótimo para descobrir coisas novas.

Aqui vai a dica de alguns blogs de pessoas que disponibilizam arquivos de música e passam suas senhas de download. Mas se não gostar de nenhum deles, todos têm links para inúmeros outros blogs de MP3. Navegue infinitamente e descubra algum do seu gosto.

Indiesurfer

Indienation

Mercado de Pulgas

Música Social

Part of the Queue

Loud

Musicoteca

Acorde Final

Classic Rock

E não posso deixar de dizer que "é dando que se recebe" como bem ensinaram os padres jesuítas do colégio em que estudei. Portanto, se você tira proveito dos MP3 disponibilizados por outras pessoas, que tal disponibilizar alguns de volta?

sexta-feira, 6 de outubro de 2006

Votem em mim

Não, não... eu não me candidatei a nada nessas últimas eleições. Não se preocupem.

A votação a que me refiro é a da Coca-cola, do concurso de blogs chamado Coke Ring. Tá vendo o selinho Coke Ring aí do lado? Então, ele diz que o blog Síncope é um dos 10 melhores da categoria de música (não me pergunte quais são os critérios deles) e preciso de votos para me tornar a coke master (também não me perguntem o que isso, na pratica é o primeiro lugar da categoria garantido durante meses). Virar o coke master é muito importante porque só assim é possível ganhar a promoção.

Por isso, queridos leitores do Síncope, peço-lhes um pequeno favor. Cliquem ali na publicidade da coca-coca, teclem o código e votem em mim! E fiquem espertos porque a votação dura apenas 5 dias. Pode votar quantas vezes tiver vontade.

Agradeço os milhares de votos desde já.

quarta-feira, 4 de outubro de 2006

Manual prático completo do ouvinte moderno na Web - Capítulo 1 - Softwares

Softwares de troca de arquivo são a ferramenta mais primitiva e ainda a mais eficiente, portanto a mais utilizada, de se adquirir música pela internet.

A primeira tecnologia utilizada por esses softwares é chamada de Peer to Peer e consiste em um tipo de rede virtual em que se baixa arquivos diretamente de outro usuário conectado. Seu ponto fraco é que, se o usuário de quem você está baixando a música desconecta, seu download pára. Ou você tem a sorte de encontrar o cara online mais tarde, ou é melhor procurar outro colega para compartilhar o arquivo com você.

Essa forma é bastante conhecida pelo usuário comum, portanto não prolongarei as explicações. O programa que eu utilizo é o SoulSeek, mas existem outros muito populares como o LimeWire, AudioGalaxy, Kazaa, Gnutella, eMule entre outros. Escolha o seu e divirta-se.

A outra tecnologia utilizada por softwares de troca de arquivos é chamada de BitTorrent. Essa tecnologia permite aos utilizadores fazerem download de arquivos indexados em websites.

Explico como baixar um arquivo de música com BitTorrent passo a passo como um exemplo prórpio. Hoje eu estava a fim de ouvir o disco da inglesa Lily Allen, porque só conheço suas músicas que estão no MySpace. Diriji-me ao www.bittorrent.com, pesquisei por “Alright Still”, o disco completo. Apareceram vários resultados apontando para outros sites. Escolhi um e baixei o minúsculo arquivo de torrent para meu computador. Ele pesava 34,7k.

Esse arquivo é pequenino assim porque apenas servirá para mostrar ao meu software de onde ele deve baixar os arquivos de áudio. Abri o torrent por um programa chamado Azureus e ele agora está baixando o disco da Lily Allen de inúmeros peers simultaneamente.

Essa opção é sem dúvida mais rápida e eficiente do que os velhos programas P2P. A única chatura é procurar os torrents pela net afora.

Pensando nisso, os queridos da área de tecnologia resolveram facilitar a vida da gente e criaram o Shareaza, programa em que você faz a busca pelo torrent, baixa o torrent, abre o torrent e baixa a música. Sensacional!

segunda-feira, 2 de outubro de 2006

Manual prático completo do ouvinte moderno na Web

Sempre me falaram que a chave do sucesso é saber ouvir o público e atender as suas necessidades e blá, blá, blá. Como eu sou uma pessoa à procura de sucesso a qualquer custo, analisei as estatísticas do meu blog e constatei que muitas pessoas ainda se perdem ao procurar músicas pela net.

São inúmeras as pesquisas que trazem gente aqui por meio das palavras “como baixar músicas de cesar menotti e fabiano” ou “ouvir músicas de césar menotti e fabiano”. Tendo em vista que nunca ensinei tal heresia no blog Síncope, sugiro ao Google uma reavaliação da eficiência dos seus serviços.

Bom, como o Google ainda não me paga por consultoria, mantenho-me no âmbito do assunto proposto para este blog. Não pretendo aqui dar sermão em quem, uma década depois do Napster, não aprendeu a se virar para ouvir gratuitamente tudo aquilo que está afim. Apenas tentarei ser didática e publicarei diariamente em fascículos (“porque é fascículo de ler”) os capítulos do “Manual prático completo do ouvinte moderno na Web” (tenho que criar um nome melhor pra isso, se alguém tiver alguma sugestão, vocês já conhecem o caminho dos comentários)

Aí vai o índice:

• Softwares

• Blogs de mp3

• Sites de relacionamento

• Gravadoras moderninhas

• Rádios online

• Sites de artistas

Fiquem de olho nas publicações de cada fascículo nos próximos dias.

quarta-feira, 27 de setembro de 2006

Novo site do Tim Festival e blog

Fui fazer uma breve visita ao site do Tim Festival 2006 para verificar a disponibilidade de ingressos e fiquei surpresa ao verificar que o site mudou. Ficou muito bom, mas o mais legal é o blog que fala sobre os artistas que vão se apresentar na edição de 2006. Além disso, na home diz-se que vai entrar no ar uma parte alimentada pelos visitantes. Gostei.

segunda-feira, 25 de setembro de 2006

Blog Síncope de roupa nova

A surpresa que eu estava preparando é essa aí, o layout novo para o blog. Demorou, eu sou muito indecisa, mas agora já foi. Espero que gostem, e se tiverem críticas e se eu achá-las pertinentes, faço as mudanças necessárias.

Agora volto a postar com frequência. Apareçam também com frequência.

quinta-feira, 21 de setembro de 2006

Charlotte Gainsbourg

Ando preparando uma grande surpresa para o blog Síncope. É por isso que o ritmo aqui anda meio lento nos últimos dias. Nem tive a oportunidade de comentar sobre o problema do show do Franz em SP e tirar onda com quem foi afetado pela confusão. Afinal, posso dizer que fui ao melhor show dos Franz já realizado na face da terra (preciso dizer qual?). Só estou falando que eu fui. Só eu e mais 1999 pessoas. Só pra deixar claro que eu fui. E dizer que eu tenho dó de quem não foi. Pronto, parei. :P

Também não deu tempo de contar como foi a discussão sobre música no Stereomundo de terça-feira, mas posso dizer que quem não foi come cocô, como costuma dizer o amigo Tacio.

Bom, para não deixar o blog jogado aas traças (alguém me ensina como fazer crase nessa porqueira de maquintox?), eu coloco aqui um videozinho pela metade porque não consegui achar inteiro, da filha do Serge Gainsbourg, a Charlotte Gainsbourg, atriz que lança seu primeiro disco agora. Dizem que é bem bom. Ainda não ouvi.



Estou sem a trés belle "Je t`aime, moi non plus" do Serge Gainsbourg aqui nesse computador, mas em breve coloco aqui para quem não conhece.

terça-feira, 19 de setembro de 2006

Clap your hands say yeah!

Rolou um boato que eles tocariam no Tim. É uma pena que foi apenas um boato.
O ótimo disco deles é lançado agora no Brasil e eu falo sobre ele aqui no Pílula Pop.

domingo, 17 de setembro de 2006

9 anos de Obra e a camiseta comemorativa

Um dia desses, eu estava assistindo o programa da Oprah (sim, além de ler blogs de fofoca eu assisto a Oprah) e o tema do dia era pessoas que ficaram milionárias. Ela mostrou um cara que criou uma empresa de caça a tesouros, achou um navio carregado de ouro no fundo do mar e ficou milionário. O outro foi fazer sorvete em casa pro filho e, para congelar o negócio mais rápido, usou nitrogênio líquido (ou algo do tipo) e criou sorvetes em bolinhas, tipo aquele chocolate Chumbinho, só que menor. Aquilo fez um sucesso incrível e ele também ficou milionário.

Mas a história que mais me impressionou foi a de uma mulher que estava desempregada e pra passar o tempo começou a participar de todas as promoções que ela via no jornal, na revista, no rádio e tal. Ela ganhou tantos prêmios que mobiliou a casa dela inteira, ganhou TV, DVD, som, tudo que você possa imaginar. Um dia ela ganhou um barco que valia meio milhão de dólares e alguns meses depois, ganhou um prêmio de 1 milhão de dólares. Ela contou que fez disso a sua profissão. Todos os dias ela acorda, pega o jornal ou liga o computador, vê todas as promoções que estão rolando no dia e se inscreve em todas elas. A mulher fica o dia inteiro procurando e participando de promoções.

Então a Oprah falou com a dona que ela devia ser muito sortuda. Ela respondeu que não, que na verdade aquilo não tem nada a ver com sorte, mas sim com persistência e que por isso todo mundo podia ganhar como ela. Ela explicou que a maioria das pessoas não participa de promoções porque acha que não vai ganhar, então a concorrência é pequena. Disse também que proporcionalmente ela ganha tanto quanto qualquer pessoa, mas como ela participa de todas as promoções que acontecem nos EUA, o número total de prêmios fica grande.

Eu sempre fui cética em relação a promoções, achava que só o sobrinho do dono ganhava, então não participava de nenhuma. Depois desse programa minha vida mudou. É claro que não fiz disso minha profissão, tampouco fiquei milionária, mas esses dias eu ganhei um prêmio que é tão divertido que vale márdiumilhão.

O negócio era criar uma estampa para a camiseta que os funcionários da Obra usarão no próximo ano. Eu que freqüento aquele lugar assiduamente há tantos anos e nos últimos tempos com uma freqüência mais que semanal, pensei que ganhar o prêmio de entrada grátis durante seis meses seria bastante agradável. Eu e dois amigos mandamos nossos trabalhos com o combinado de que se algum de nós ganhasse, revezaria os outros dois como acompanhantes.

Participamos e não é que eu ganhei? Essa é a que eu mandei:

marca_aobra_9anos copy

E aqui você pode ver as dos outros cinco finalistas.

Fiquei super feliz com o resultado porque, além dos seis meses sem pagar entrada, é uma verdadeira honra ter um desenho meu estampado na camiseta da Obra, um lugar tão importante para a música independente e alternativa.

Quem é de BH pode comemorar comigo ou rir da minha cara recebendo o prêmio na festa de aniversário da Obra que acontece no próximo sábado no Lapa Multishow. Ó o flyer aí:

obra9anosmala

quinta-feira, 14 de setembro de 2006

Agora sim: fotos do Campari Rock BH

O colhega de Brasília Demian Moura veio a BH para assitir o Campari Rock. Ele foi muito simpatico e enviou as fotos que tirou no dia para ilustrar o blog Síncope.

As fotos ficaram muito boas. Dá para ver detalhes como o relogio gigante da Nina:

nina

A cara de apendicite do Peter:

sapo

Uma boa visão panorâmica dos Cardigans no palco:

panorama

E a dança do aviãozinho, um dos vários passos de dança executados pelo John King:

gang

O Demian tem um portfolio de fotos muito legal no www.demianmoura.com

terça-feira, 12 de setembro de 2006

Tim Festival 2006 - Ingressos à venda

Começaram a ser vendidos hoje os ingressos para o evento de música mais legal do Brasil. Você pode comprar pelo site do Ticketmaster, ou nos pontos de venda em várias cidades. Para quem é de BH, má notícia. Parece que o postinho que era o único ponto de venda na cidade, já não é mais.

Eu acabei de comprar os meus pela net. No dia 27 vou no Daftpunk. No dia 28 fui ousada e comprei para dois palcos. Um que tem Bonde do Role, TV on the Radio e Thievery Corporation e outro com Mombojó, Patti Smith e Yeah, yeah, yeahs. No dia 29, para fechar e desmaiar, The Beastie Booooooys, além de Instituto e DJ Shadow.

Só achei que a inflação do ano passado pra esse foi a maior de todos os tempos. Os ingressos mais que dobraram de preço, se é que me lembro bem. Pelo menos hoje em dia dá para comprar meia pelo Ticketmaster.

***
Não se esqueçam da palestra do Hemano Vianna hoje, hein? Imperdível.

***
O CSS está realmente conquistando os corações gringos. Olha o que diz esse blog que é o meu favorito sobre música em língua inglesa. E teve esse aqui também há um tempo.

segunda-feira, 11 de setembro de 2006

Campari Rock em BH

Sábado foi o dia do tão esperado Campari Rock. A versão belorizontina foi um fiasco de público. Tento em vista o meu conforto, não tenho o que reclamar. Nada melhor do que bastante espaço entre você e o desconhecido mais próximo e a ausência de suor, que aliás são coisas bastante suecas. Mas sinto pelos pobres integrantes do Cardigans que resolveram fechar a turnê aqui e pelo Gang of Four que deve ter tido o show mais vazio de toda a sua longa carreira. Mesmo com bem menos da lotação do local, as apresentações foram bastante animadas.

Infelizmente não cheguei a tempo de assistir o Digitaria. Vai ter que ficar para a próxima.

Nina Person, maravilhosamente penteada e maquiada foi obviamente o centro das atenções, a não ser a daquelas pessoas que não conseguiam desgrudar os olhos do não-penteado-e-nao-maquiado-mas-ainda-assim-belo baterista.

A voz de Nina me impressionou. Comparando-a com as gravações, ao vivo ela é bem mais poderosa e explosiva. Nunca achei que ela tivesse essa capacidade. A voz está léguas mais madura e encorpada. Perdeu muito do caráter infantil do início de carreira. O que não são anos de experiência, não é mesmo minha gente?

Agora uma pausa para pegar fôlego. O show do Gang of Four foi incrível ou o quê? Meu deus, o que foi aquilo? Olha que eu nem sou tão fã de Gang of Four assim, eu nem existia quando eles surgiram. Mesmo com a platéia ainda mais vazia do que no show do Cardigans a banda de senhores arrasou. Com energia de sobra, essa foi uma das melhores performances ao vivo que já presenciei.

O som, apesar de estar baixo e da acústica do local não ter ajudado muito, era intenso, incisivo e incansável. O público se mexeu do começo ao fim, mas foi durante o hit “Damage Goods” que todo mundo foi à loucura. Daí até a última música ninguém mais sossegou.

Depois do bis, muita gente como eu não se contentou em ir pra casa, e se espremeram nos 15 metros quadrados da Obra para dançar hits incansavelmente até o sol raiar. Essa é uma noite que vai ficar cuidadosamente guardada nesse coração rock sujo.

Ah, e sobre as fotos. Desculpa aí mas ainda não arrumei uma câmera nova e fotos de celular fedem.

quinta-feira, 7 de setembro de 2006

Ciclo de debates Stereomundo

Um dos primeiros links que eu coloquei nesse blog ali na coluna da direita foi o site Overmundo. Esse é um bem-sucedido exemplo do que é a Web 2.0. Com o surgimento de sites como esse a tão falada interatividade subiu um degrau. Um degrauzão para falar a verdade. Esses sites só existem graças à participação do usuário e dependem dos mesmos para crescer e se desenvolver.

Então, voltando ao Overmundo. Ele entrou no ar há menos de um ano eu acredito, e hoje já tem mais de 5000 pessoas cadastradas, todas elas possíveis colaboradores. É um verdadeiro banco cultural e eu virei fã assumida.

O Overmundo se juntou ao Projeto Estereoteca para promover um ciclo de debates chamado de Stereomundo. Esses debates acontecerão todas as terças-feiras de setembro a partir das 19h, no Teatro da Biblioteca Pública, que fica na praça da Liberdade em BH. A entrada é providencialmente franca.

Na próxima semana o Stereomundo tem Hermano Vianna, o pai do Overmundo, como palestrante. Eu não perco essa por absolutamente nada. E ninguém deveria. Hermano Vianna vai tratar de temas ligados à Web 2.0 e da mudança da produção cultural frente a novas tecnologias.

A indústria fonográfica é provavelmente o maior exemplo pilares derrubados por essas novas tecnologias, o que resultou em um completo desespero de quem estava se dando bem com a maneira tradicional de ganhar dinheiro com música. Acho que eles até hoje não passaram da fase de negação e por isso continuam pregando a anti-pirataria, como eles gostam de chamar. Ficam dizendo umas coisas desconexas tipo “não roube música” e “pirataria é crime”.

Já passou da hora de mudar o discurso e é por isso que eu vou lá ouvir o Hermano Viana falar. Afinal, ninguém melhor do que um antropólogo, pesquisador musical e criador do Overmundo para tratar desse assunto.

A primeira semana eu perdi, mas não repetirei o erro. Olha só a programação completa:

stereomundo_virtual_complet

quarta-feira, 6 de setembro de 2006

Nick Zinner, o salvador

Parece que meus dias de sofrimento acabaram. Ontem recebi uma notícia incrivelmente maravilhosa que pode resolver a problemática YYYs e TVoR.

Eles têm o mesmo guitarrista! E se eles têm o mesmo guitarrista, e se o guitarrista não tem poderes extra-sensoriais, ele não pode estar em dois lugares ao mesmo tempo. Desta forma, os shows não serão exatamente simultâneos e eu poderei comparecer aos dois.

O meu único medo é que alguém resolva colocar um guitarrista substituto no lugar do Nick Zinner no show do TVoR para poupar o pobre homem da estafa de fazer dois shows seguidos. Ainda mais que Nick Zinner não é o único guitarrista do TV on the Radio, mas é o único do YYYs.

terça-feira, 5 de setembro de 2006

Dicas úteis

Hoje eu tenho dois blogs interessantes para recomendar. Um é o Revoluttion, blog escrito por Marcelo Costa que é editor do Scream and Yell. Lá ele comenta, ou melhor, disseca discos todas as segundas e quintas.

O outro é extremamente útil e se chama The Hype Machine. Mas o melhor mesmo é o slogan: “It’s like a radio that doesn’t suck”. Ele é um agregador de blogs de música. Lá você encontra links para blogs do mundo inteiro que têm música para ouvir e baixar. Acabei de achar o novo do Rapture facinho, facinho em um blog em italiaaaano. Eu, que sei falar perfeitamente as palavras prego e mangiare, e até a complexa frase “dové la chiave de la chiesa chiusa?”, me virei muito bem e consegui baixar o disco completo.

***
Eu ia falar sobre o mocinho do Ladytron e seu djset no sábado, mas não vale a pena. Só digo que a pista estava cheia quando o bigodudo entrou mas esvaziou rapidinho. Eu, que sou trash, fiquei até quase o final e a coisa até que melhorou lá pras 5 da manhã, isso que dizer que ficou menos eletrônico e mais rock. Pelo que me lembro...

quinta-feira, 31 de agosto de 2006

Ah... nem....

Essa semana saiu a programação completa e oficial do Tim Festival. Proponho o jogo do 1 erro. Leia com atenção para encontrá-lo:

* TIM RIO
- Dia 27/10
Daft Punk – Tim Stage
Devendra Banhart – Tim Lab
- Dia 28
Patti Smith/YYYs – Tim Stage
Bonde do Role/TV on the Radio/Thievery Corporation
- Dia 29
DJ Shadow/Beastie Boys – Tim Stage

* TIM SÃO PAULO
Dia 29/10 – 18h
Mombojó
TV on the Radio
Thievery Corporation
YeahYeahYeahs
Daft Punk

* TIM VITÓRIA (teatro universitário da UFES)
Dia 29
Devendra Banhart

* TIM CURITIBA (Pedreira Paulo Leminski)
Dia 31
Patti Smith
Yeah Yeah Yeahs
Beastie Boys

Ao ouvir o boato, no início do ano, de que uma atração do Tim seria Radiohead concluí que a única solução para voltar à vida normal depois de um acontecimento como esse seria me submeter a uma lobotomia. Ainda bem que Radiohead não veio. Mas agora, novamente me deparo com a possibilidade de cirurgia para sobreviver ao trauma causado por esse gravíssimo erro de programação do Tim.

Então, se você não descobriu até agora, eu conto: YYYs e TV on the Radio vão tocar no mesmo dia, no mesmo horário e em palcos diferentes!!! Isso é desumano. Não é justo alguém ter que escolher entre os dois. Alguém me ajuda?!?

Desde que eu descobri isso minha vida virou um inferno. Não consigo dormir nem trabalhar direito. Eu já pensei em todas as possibilidades. Gastar todo o meu escasso dinheirinho e ver um show no rio, outro em SP ou em Curitiba, mas nem isso resolve o problema. É que para isso eu teria que abrir mão de outro show incrível. O dos B-E-A-S-T-I-E BOYS! Sem chance. Esse é prioridade.

Acho que vou ter que jogar a moedinha pra cima, ou usar a Patti Smith como desempate. Isso ia me ajudar a completar meu álbum de dinossauros do rock.

Vale processar os curadores do Tim? Pelo menos eles poderiam pagar minha operação... Ou as caixas de remédio... Ou uma vida na Europa com passe livre a todos os festivais de rock?

Ok, terra chamando. Voltei.

segunda-feira, 28 de agosto de 2006

Mordeorabo na Casa do Baile

A Casa do Baile na Pampulha foi inaugurada em 1943 como um cassino e funcionou dessa forma até 1948. Era também usado para “dancing popular” como era chamado na época. Ela fica em uma pequena ilha dentro da lagoa e o acesso é feito através de uma ponte de 11m. Faz parte do conjunto arquitetônico da Pampulha, criado por Niemeyer. Não preciso dizer como o lugar é agradável, mesmo nessa época em que lagoa está bem vazia.

Não sei qual foi a mente brilhante que teve essa idéia, mas desde o começo do ano shows de bandas locais têm acontecido lá na Casa do Baile, ao ar livre. No último sábado foi a primeira vez que eu pude comparecer e, felizmente, a atração da noite era a excelente Mordeorabo.

No fim do show eu fui me apresentar para o Max D., baixista, já que, além de eu ser fã da banda, ele foi o moço responsável pela ótima identidade visual do Indie desse ano, cujo blog é escrito também por mim. Ele reclamou que sobre última apresentação deles eu só falei da banda que abriu, Ballet, e que por isso ele achou que eu não tinha gostado. Na verdade, eu falei do Ballet porque o Ballet melhorou muito da primeira vez que os vi para a última. Já o Mordeorabo sempre foi bom.

Pode parecer que agora eu estou puxando saco só por causa da reclamação, mas realmente o show na Casa do Baile foi incrível. Além do ambiente poético, a banda, que conta com mais um integrante, estava impecável. É tão bom saber que ainda tem gente criativa nesse mundo.

Logo na primeira música uma corda da guitarra arrebentou. Eu achei que eles tinham ido trocar corda de uma harpa, mas a explicação da demora é que a guitarra do Raphael era uma guitarra barítono. Para não quebrar o clima do set list, e para a sorte de quem, como eu, estava no bar da esquina na hora que o show começou, a primeira música foi executada novamente.

O mais legal de um evento como esse, gratuito, ao ar livre, é ver uma pessoa que não faz parte do público usual de uma banda de rock instrumental, como um morador de rua, assistir do começo ao fim e curtir.

Olhem só uma foto tosca tirada de celular:

26-08-06_2005

quarta-feira, 23 de agosto de 2006

Super(?)guidis

Na edição de abril da revista Bizz uma das chamadas da capa era: 13 nomes que realmente importam no novo rock. Fui conferir e os 13 nomes eram:

1- Hal
2- Jenny Lewis
3- Supercordas
4- Clap Your Hands Say Yeah
5- Arctic Monkeys
6- We are Scientists
7- Superguidis
8- Hard-fi
9- Los Alamos
10- Wolfmother
11- Guillemots
12- Stephen McBean
13- Moptop

Tentei me concentrar nas bandas nacionais que eles indicaram tendo em vista a minha defasagem no quesito música brasileira.

Moptop eu já conhecia, fui a um show deles na Obra e curti bastante. Até comentei sobre esse show aqui. Supercordas ainda não conheço, mas pretendo escutar em breve.

Já o Superguidis.... ah, o Superguidis.

Eu não sou de ficar falando mal de bandas por aqui, só uma outra crítica construtiva. Prefiro falar das que eu gosto e indicá-las. Mas o Superguidis não tem jeito, eu vou ter que desabafar.

Na sexta feira passada eu fui à festa de comemoração aos 9 anos do Programa Alto Falante. A primeira das 4 atrações da noite era o tão falado Superguidis. Eu estava ansiosa para conferir o som dos gaúchos tão aclamados por essa publicação que eu costumo respeitar.

Confesso que fiquei extremamente decepcionada com a apresentação, ainda mais porque fui esperando uma versão brasileira de Guided by Voices misturado com Foo Fighters, que foi o que a Bizz me prometeu.

O que eu ouvi foi um som absurdamente óbvio, com melodias bobas, sem graça, bem teenager, e com letras tétricas. Eu sei que escrever boas letras em português é uma tarefa árdua e para poucos. Mas, francamente, uma música cujo refrão é “o coraçãozinho sobreviverá” é muito pior que falta de talento. É falta de vergonha e amor-próprio.

Eu, que excepcionalmente estava sóbria como um monge naquela noite, quase cortei meus pulsos, mas eu ainda tenho amigos e consegui me controlar para esperar pelo próximo show.

Quem se apresentou foi a banda acreana Los Porongas e digo que assisti-los valeu a pena. Esse foi o meu maior contato com esse estado tão remoto e igualmente simpático. Para dizer a verdade, ainda tenho minhas dúvidas a respeito da real existência do Acre. Mesmo já tendo feito uma escala de avião por aquelas terras e conversado com uma jovem supostamente acreana durante toda uma noite, continuo duvidando da legitimidade de tais informações. Bom, teorias da conspiração à parte, a banda que se diz acreana é de fato competente e bem mais interessante que a maioria das que aparecem por aí.

Já a apresentação teatral/circense dos mineiros do Falcatrua, as exageradas expressões faciais do vocalista, e a entonação dos versos “viver... e não ter a vergonha de ser feliz...” foram suficientes para que eu decidisse que o mais sábio a se fazer naquele momento era voltar para o silêncio da minha querida casa.

De qualquer forma, o pessoal do Alto Falante merece os parabéns pelo sucesso de 9 anos e espero que continuem aí durante muitos e muitos anos.

segunda-feira, 21 de agosto de 2006

Um pouquinho de Cat Power...

...para alegrar uma segunda-feira qualquer.





Lived in Bars (by Cat Power)

We've lived in bars
And danced on tables
Hotel trains and ships that sail
We swim with sharks
And fly with aeroplanes in the air

Send in the trumpets
The marching wheelchairs
Open the blankets and give them some air
Swords and arches bones and cement
The light and the dark of the innocent of men

We know your house so very well
And we will wake you once we've walked up
All your stairs

There's nothing like living in a bottle
And nothing like ending it all for the world
We're so glad you will come back
Every living lion will lay in your lap
The kid has a homecoming the champion the horse
Who's going to play drums, guitar or organ with chorus
As far as we've walked from both of ends of the sand
Never have we caught a glimpse of this man

We know your house so very well
And we will bust down your door if you're not there

We've lived in bars
And danced on tables
Hotel trains and ships that sail
We swim with sharks
And fly with aeroplanes out of here

terça-feira, 15 de agosto de 2006

Campari Rock

Não preciso nem dizer o quanto é obrigatória a presença no Campari Rock, certo? Então vamos aos fatos, ou utilidade pública.

Atrações:
Cardigans e Gang of Four. A abertura dos shows será feira em SP pelo Montage, em Floripa por Samambaia e Tujiqueira e em BH pelo Digitaria, que volta agora de uma fina turnê européia.

Datas e locais:

SP - 06/09 - Via Funchal
Floripa - 08/09 - Ilha dos Cascaes (Não sei se entendi o nome direito. ô marquinha tosca)
BH - 09/09 - Chevrolet Hall

Ingressos:
Os ingressos já estão à venda. Em BH custam (a meia, extensa a todas as categorias, como eles gostam de dizer) 40 reais o primeiro lote e 50 o segundo. Aproveitem porque ainda está no primeiro. Você pode comprar lá no Chevette Ról direto, sem fila, facinho. Ou pela net, no www.ticketmaster.com.br.

Nas outras cidades eu não sei bem como funciona, mas sei que rola de comprar pelo Ticketmaster também.

sexta-feira, 11 de agosto de 2006

quinta-feira, 10 de agosto de 2006

Frances Bean Cobain

Mais um momento Caras no Blog Síncope.

Tá bom, eu leio blogs de fofoca, ok? Pronto. Falei.

É que eu fiquei impressionada com o bebê do meu ídolo de adolescência. Estou parecendo tia velha falando.. mas ela virou uma mocinha.

francebean

francebean2

quarta-feira, 9 de agosto de 2006

Blog do Indie 2006

Não satisfeita em falar bobagem sobre música, palpitarei agora também sobre cinema. Na verdade a responsabilidade é toda do pessoal do Indie - mostra de cinema mundial, que me chamou, junto com o Daniel Poeira, para escrever o blog oficial do Indie 2006.

O blog acabou de entrar no ar e a mostra começa no dia 24. Quem já é fã, ou quem não sabe do que se trata e quer conhecer, ou quem estiver interessado em acompanhar tudo de pertinho, pode adicionar imediatamente o Blog Indie aos seus favoritos e visitar diariamente porque a gente tem muita coisa para contar.

indie2006

terça-feira, 8 de agosto de 2006

Roubaram o meu vídeo das esteiras!

Todo dia que eu estou lá correndo e sofrendo na esteira, eu tento me distrair com qualquer coisa, mais ou menos divertida dependendo da situação. Assisto a qualquer bobagem que passa na TV, escuto música e penso em um monte de besteiras. Estou eu no meio dos meus devaneios, correndo na esteira, ouvindo música, pensando, correndo, ouvindo, esteira, música, vídeo.. oh! um vídeo na esteira, que legal. Eu sou um gênio.

Não é que essa semana eu vejo na rede o "Here it goes again" da banda OK, go, que tem uma coreografia incrível feita sobre esteiras? É claro que o vídeo que eu imaginei é bem menos humorado e feliz do que esse, afinal, correndo desse jeito ninguém consegue pensar em algo mais alegre do que "mate-me, por favor".

Os suecos do Ok, go já são conhecidos pelos seus vídeos com coreografias a la "Praise You" do Fatboy Slim. Pelo menos, todos que eu conheco são assim e este é sem dúvida o mais legal deles.



Tá vendo? Quem disse que indie não sabe dançar? Eu sempre achei que soubessem.

segunda-feira, 7 de agosto de 2006

Ai... que falta de assunto

Bom, a falta de assunto está grande. Ninguém lançando disco novo, nenhuma ótima banda nova, os shows que vão rolar todo mundo já está sabendo.. Mas vamos lá.

***
Todo mundo agora só fala de Lily Allen que tem um hit até legal, "Everything's just Wondrfull". Mas na verdade ela chama muito atenção pela o que ela fala e faz do que pela música mesmo.

***
A festa da Rotatória Pirata foi... hum, interessante. Bom, a festa se chama assim porque sua primeira versão foi realmente numa rotatória. Dessa vez foi mais num triângulo. O tema era Pirata o que deu um visual legal, ficou parecendo um bloco de carnaval punk. O triângulo tinha uma bandeira pirata e aquele bando de gente apoleirada ali, com boa vontade, ficou até parecendo um navio. Tem uma foto aqui, mas nela não dá pra ver bem como foi.

Uma banda punk rock no meio da rua depois das 22 obviamente não é uma coisa autorizada por ninguém e sem dúvida incomodou os vizinhos que imediatamente chamaram os tiras. Até observei alguns vizinhos mais jovens aplaudindo pela janela, mas vi também um velhinho bem bravo de braços cruzados e chinelos inspecionando a ação da polícia.

Bom, o que era pra ser quase um flash-mob durou cerca de quarenta minutos. Foi um sucesso de público, e o moço da cerveja no porta-malas chegou a vender mais de 80 latinhas nesse tempo. A banda tocou direitinho mas agradou mais com seus skas. Parabéns ao competente trompetista, que completamente recuperado de um pneumotórax que o acometeu no ano passado, agora pode encher os pulmões tranquilamente.

Os cops nem precisaram descer do carro para acabar com a palhaçada, quer dizer, pirataria. A festa terminou civilizadamente com piratas correndo de um lado para o outro com as caixas de som e outros equipamentos.

***
Ah! Não posso deixar de registrar que o show da banda Ballet na quinta-feira foi muito bom. Eles estão melhorando a cada apresentação e ficando com cara de banda séria, fazendo menos graça e confusão no palco e tocando mais. Todo mundo com quem conversei curtiu muito o show e ouvi boas referências até quem foi no de sábado na Matriz(!).

quarta-feira, 2 de agosto de 2006

Google Calendar - ON

Como prometido, coloquei na barrinha da direita um calendário dos shows programados para o futuro próximo. É fácil ó: só clicar no botão Google Calendar, que se encontra exatamente sobre o quadrinho do last.fm, e descobrir quais são os dias mais felizes do ano.

Não me responsabilizo pelos eventuais (ou seria melhor dizer freqüentes) cancelamentos, trocas de datas e coisas do tipo.

Se estou esquecendo de algum, avisem-me por favor. Obrigada.

domingo, 30 de julho de 2006

New Features no Blog Síncope

Sabe a coluna aí da direita? Então, ela está cheia de coisinhas novas.

Primeiramente, o Top 5 foi atualizado depois de meses.

Duas novas categorias de links foram criadas: a de Podcasts e a de blogs de MP3. Elas ainda estão curtinhas, mas vão crescer aos poucos.

Além disso, estou trabalhando em um calendário. Nele vão constar todos os shows que valham a pena programados para os próximos meses aqui no BR. Vai ficar mais fácil pensar em como guardar as moedinhas pra não faltar em nenhum deles.

sexta-feira, 28 de julho de 2006

Egípcia

Já que agora tá na moda fazer a egípcia (a.k.a. sair de fininho, à francesa, ou até mesmo ignorar algo ou alguém), aí vai o vídeo "Walk like an Egypcian" da banda Bangles. E a música é boa, né Luiza? Eu gostei.



*too much hair :P

segunda-feira, 24 de julho de 2006

Sondre Lerche e sua missão de salvar o mundo dos refrões ruins

"What the world doesn't need is bad choruses"

Sondre Lerche, 22.



sondre


Clique aqui e assita à entrevista Sondre talks about his first album Faces Down, e ao video da música Sleep On Needles.


Ah, e tem mais uma musiquinha dele ali na coluna da direita. Isso me faz lembrar que já passou da hora de trocar o top 5.

quarta-feira, 19 de julho de 2006

Visitas, Motor, delegacia, Gang of Four e Cardigans

Ontem foi um dia especial para o blog Síncope. Graças ao post da Rosana, as visitas dispararam e, dessa forma, este blog dá o primeiro passo do seu plano de dominar o mundo. =P

Agradeço as visitas e os simpáticos comentários. Espero que voltem sempre.


***

Agora vamos às novidades.

Desde o fim da espetaculosa MotorMusic, o Curral Del Rey (vulgo BH), ficou jogado às traças. Para quem estava (mal) acostumada com shows internacionais quase mensalmente ali na esquina, passar a viver de migalhas não foi fácil.

Lembro-me saudosamente dos meus 15 anos quando pude presenciar inúmeros shows inesquecíveis. Luna, Man or Astro-man, Atari teenage Riot, Trans AM, Superchunck. Ok, desse último não me lembro tão saudosamente porque passei a maior parte da noite na delegacia. Foi assustador. Fui ameaçada, torturada e hoje não tenho as unhas da mão esquerda. Mentira, não vou contar a história verdadeira porque assim ela ficou bem mais emocionante. Mas (agora de verdade) acabou valendo a pena porque no final das contas ganhei passe livre para uns três shows no Lapa Multishow.

Enfim, eu trouxe esse assunto à tona porque finalmente, depois de anos, parece que algo bom vai acontecer.

A notícia já está um pouco passada, mas Gang of Four e Cardigans vão dar uma esticadinha depois do Campari Rock e vêm tocar no Chevrollet ex-Marista Hall. A data é 9 de setembro. Preparem-se.



terça-feira, 18 de julho de 2006

Regina Spektor - Begin to hope

A Regina Spektor é mais uma cantora que eu curto muito. Voz bonita (aliás, incrível), músicas bonitas, letras bonitas. Com boa vontade pode ser até comparada à Fiona Apple, minha ídola. Ela está lançando este mês um disco que se chama Begin to Hope.

O site oficial da moça é uma fofura. Dá pra escutar várias músicas e assistir aos belos vídeos.

regina


Aproveito para agradecer o post de Rosana Hermann no seu famoso Querido Leitor sobre o blog Síncope. Quando tiverem chance, participem do skypecast de segundona organizado pela Rosana.

segunda-feira, 17 de julho de 2006

Matisyahu - Youth

Apesar da gripe destruidora que me acomete, começo a semana animada com coluna nova no Pílula. Olha lá o que eu digo sobre o Matisyahu.

Ahn? Quem?

Leia aqui.

sexta-feira, 14 de julho de 2006

Todo mundo quer ser um Yeah, yeah, yeahs

Um das minhas jovens bandas favoritas é a Yeah, yeah, yeahs. Eles fazem um rock de alta qualidade, moderno, enérgico e com vocal feminino (já sacaram minha predileção por vocais femininos?). Isso tudo acompanhado de muita atitude.

Pois bem. A banda lançou o seu segundo disco esse ano. Depois de Gold Lion, a música de trabalho escolhida é Cheated Hearts. Para isso resolveram fazer um vídeo. Pediram aos fãs que gravassem seus vídeos caseiros da música imitando a banda, tocando instrumentos, mesmo que esses não fossem reais, e fazendo a melhor performance possível. O resultado ficou bom (algumas pessoas conseguiram ficar idênticas à Karen O. Sensacional) e você vê logo abaixo.

quarta-feira, 12 de julho de 2006

rock sujo

Adorei esse fotolog do Bruno Aziz Lima, rock sujo. Ele tem umas tirinhas ótimas, como a de hoje e a de ontem, que me fizeram rir baldes.

tirinha

Dica do amigo DJ Tacio, que também tem um fotolog bacana.

segunda-feira, 10 de julho de 2006

Ella

Sem delonga, só acho que ninguém pode morrer sem ouvir isso aqui.

"Every Time We Say Goodbye", composição de Cole Porter, interpretada divinamente por Ella Fitzgerald.


Powered by Castpost

Everytime we say goodbye, I die a little,
Everytime we say goodbye, I wonder why a little,
Why the Gods above me, who must be in the know.
Think so little of me, they allow you to go.
When you're near, there's such an air of spring about it,
I can hear a lark somewhere, begin to sing about it,
There's no love song finer, but how strange the change from major to
minor,
Everytime we say goodbye.

When you're near, there's such an air of spring about it,
I can hear a lark somewhere, begin to sing about it,
There's no love song finer, but how strange the change from major to
minor,
Everytime we say goodbye.

quinta-feira, 6 de julho de 2006

Joanna Newson, a estranha

Eu já falei com você pra escutar Joanna Newson, não é? Aposto que não me obedeceu..

Então dá uma olhada na moça ao vivo, com sua harpa(!) e voz esquisita. A música, e a voz esquisita também, são uma delícia.

Agora não tem mais desculpa.

terça-feira, 4 de julho de 2006

Mudernidade: skypecast

Hoje vou fugir do assunto que rege esse blog e falar de uma coisa bem legal que rolou ontem. Um tanto quanto nerd, não renego minhas origens, mas legal.

Estou falando de um skypecast que rola toda segunda-feira, promovido pela Rosana Hermann. Para quem não sabe o que é um skypecast (eu aprendi ontem), explico. Na verdade é muito simples. Se trata de uma sala de chat, mas ao invés de escrever, a gente fala mesmo, tudo isso através do simpático Skype.

Umas 50 pessoas participaram da conversa. Fomos visitando alguns sites e comentando. Coloco aqui, o link do blog de alguns dos participantes.

http://sobretudonews.zip.net
http://kanbada.zip.net
www.frankamente.blogspot.com
www.bloggi.zip.net
http://elber.podomatic.com
http://lekrapo.pre-lude.com
www.blogdarquiteta.wordpress.com
http://melaocomsalsicha.blogspot.com
http://galileu.wordpress.com
http://100leitores.blogspot.com
www.outrosolhos.com.br
http://www.varanda.blogger.com.br

segunda-feira, 3 de julho de 2006

Return to Cookie Mountain - TV on the Radio

tvontheradio

Return to Cookie Mountain, segundo disco do TV on the Radio, é lançado hoje e você já pode ouvi-lo na íntegra aqui no site da NME. Afinal é só pra isso que esse site serve mesmo. Ah, e pra saber se o Pete Doherty foi preso, se está em julgamento, namorando com a Kate Moss ou internado tentando se livrar das drogas.

Eu estou ouvindo e curtindo. Soa mais estranho e pesado que Desperate Youth, Blood Thirsty Babes. Ainda não sei se gostei mais desse ou do disco anterior. Recomendo as faixas "Wolf like me" e "Tonight".

quinta-feira, 29 de junho de 2006

Gig Posters

Se você adora posters como eu, principalmente se são dos show das suas bandas preferidas, reserve algumas horas para se perder na infinidade de posters incríveis do gigposters.com

Alguns dos meus preferidos, todos criados pela Aesthetic Apparatus:

Posters

segunda-feira, 26 de junho de 2006

Blogs de MP3

O que é o advento do MP3, não é mesmo, minha gente?

Esse incrível e compacto formato de áudio facilitou a vida de todo mundo e complicou a de muita gente também. Vamos resumir e pular toda a confusão que rolou depois que um menino criou um programa que servia pra trocar esses arquivos com seus amigos, ou com o mundo todo.

Agora o que está usando é baixar os arquivos direto da net. Pessoas do mundo inteiro disponibilizam álbuns completos e divulgam o endereço em blogs e sites de relacionamento. É só pesquisar e baixar.

Esses aqui são alguns blogs de mp3 que eu recomendo:

Indiesurfer

Indienation

Mercado de Pulgas - pra não dizer que eu não curto música brasileira

Música Social - muita coisa ao vivo.

Part of the Queue

terça-feira, 20 de junho de 2006

"Stars of CCTV" - Hard-fi

Depois do fim de semana prolongado, com jogo do Brasil e tudo mais, volto com uma resenha pro Pílula Pop sobre o disco do Hard-fi que é lançado tardiamente por aqui. Quem se interessar, pode ler e comentar aqui.

quarta-feira, 14 de junho de 2006

Reencontros, revivals, reuniões e todas essas bobagens

No último mês só se falou show de reencontro dos Mutantes em Londres. Alguns acharam uma boa idéia, outros falaram que os irmãos Sérgio e Arnaldo já passaram da idade, malharam a escolha da Zélia Duncan para substituir Rita Lee, falaram que não tinha validade um reencontro dos Mutantes sem a Rita Lee, aí vinha mais alguém e retrucava dizendo que Rita Lee não fazia falta, que ela não era a essência dos mutantes e talecoisa.

Acho essa discussão chatérrima e evito sempre que posso principalmente porque acho que não faz sentido discutir a qualidade do reencontro enquanto que a questão realmente importante é a sua validade.

O que eu digo sobre essa reunião é o que eu digo sobre qualquer reunião: é tudo uma grande bobagem, não faz sentido e é tão insignificante quanto a longevidade do matrimônio do baby humm-bop. Reuniões deviam ser banidas. Qualquer coisa tirada do seu contexto se torna uma enorme bobagem falsamente emotiva e nesse caso, o que é ainda pior, uma desculpa dos músicos que eu tanto respeitava para ganhar algum dinheirinho extra enquanto há tempo.

Inspiro-me nas palavras de Jess Harvell (?!Pitchfork) para comparar a cultura da reedição a uma escavação arqueológica. Faz você pensar no passado, mas não serve pra muita coisa hoje em dia. E por mais importante que tenha sido aquilo em alguma época, hoje não passa de um monte de poeira e algumas pedrinhas.

segunda-feira, 12 de junho de 2006

Strokes, Vedder e Homme

Os Strokes chamaram Eddie Vedder e o Josh Homme (QOTSA) para gravar um cover do hit de 1972 de Marvi Gaye, "Mercy Mercy Me". A canção será o lado B do single dos Strokes "You Only Live Once", que será lançado em julho. Os vocais da música serão compartilhados por Julian Casablancas e Eddie Vedder, enquanto Homme divide os afazeres percussionísticos com o baterista dos Strokes, Fabrizio Moretti. A banda, que atualmente está em turnê, recentemente gravou vídeo para o mesmo single em Los Angeles.

Tradução tosca e não-literal de uma notícia da Rolling Stone Mag.

quinta-feira, 8 de junho de 2006

Daft Punk no Tim Festival 2006

Boas notícias, pessoal!
Daft Punk is playing at OUR house!
As datas são 27/10 no Rio de Janeiro e 29/10 em São Paulo, no maravilhso, sensacional, incrível Tim Festival.

Para esquentar, um vídeo deles ao vivo no Coachela esse ano:



E o vídeo original da mesma música, Technologic (inclusive eu devia escolher uma outra música para colocar aqui, já que essa foi trilha de um dos anúncios do ipod Shuffle, mas eu não tenho princípios):

terça-feira, 6 de junho de 2006

Ipod suicida

Eu caí no conto do ipod e estou de mau-humor, portanto, se você não está com ouvidos para reclamações nesse dia sinistro (6/6/6), melhor fugir para outro blog.

Resumo da história: Comprei um Ipod Shuffle em abril de 2005. Em abril de 2006 eu continuava feliz e satisfeita com meu aparelhinho mágico que me fez correr até 10 km. Certo dia resolvi ligá-lo, da mesma forma que fiz inúmeras vezes. Apertei o play e ao invés de acender uma luzinha verde e produzir algum som, o ipod piscou luzinhas verdes e amarelas intercaladas. Não me preocupei muito e esperava que, quando tivesse um computador ao meu alcance, um restore resolveria meu problema.

Não resolveu. Depois de todas as tentativas possíveis, de seguir todas as instruções do site, resolvi sucumbir e aceitar que a solução estava além do meu alcance. Fiquei triste e resolvi não pensar no problema durante um tempo, até que hoje, finalmente levei o aparelhinho na assistência técnica e o que eu temia se confirmou:

Meu ipod morreu! Morreu de morte morrida. Não tem conserto. Eu pergunto: como assim não tem conserto? Não pode existir um produto sem conserto!

O pior de tudo é que, segundo o técnico, não se trata de um problema de hardware. Não tem nada quebrado ou estragado lá dentro. Ele me disse que, sem mais nem menos, quando um conflito de arquivos pode acontecer, ou sem motivo nenhum o sistema interno do ipod dá pau.

A única opção que me foi dada era mandar meu ipod de volta pra apple, pagar uma quantia quase equivalente a um novo para então receber um novo. Isso me fez pensar se o meu ipod não ia ser restaurado e reutilizado, já que ele me parece bastante íntegro, a não ser pelo fato não querer tocar músicas.

Aquele avarento safado do Steve Jobs fica seduzindo o mundo com seus produtos bonitinhos e ordinários e levando a cultura americana do descartável ao extremo. As pessoas compram um ipod e logo, logo já querem trocar pelo modelo novo. Aqueles que se acham espertos e que pretendem ficar com o mesmo ipod durante anos também se dão mal porque nenhum ipod funciona anos... é uma das maiores lendas urbanas dos anos 00's, para quem não sabe.

Pesquisando na net, vi que ipods morrem dessa forma freqüentemente e que algumas pessoas já estão avisando o mundo a respeito dessa picaretagem. Seguirei o mesmo caminho e vou criar um site onde todas as pessoas que compartilham do meu sofrimento poderão se unir e fazer uma revolução contra a fckn apple!

E olha que eu estou muito nervosa. Preparem-se.

quinta-feira, 1 de junho de 2006

Pensando em voz alta

Viram que eu mudei o top 5, né? Perceberam que estou quase over os Libertines? (aff... quem eu estou tentando enganar?) Agora estou numa fase de transição para Built to Spill. Já gostava da banda, mas nunca prestava muita atenção. Eles lançaram um disco novo esse ano e desde então ando escutando bastante. Recomendo principalmente a primeira faixa, chamada “Goin' Against Your Mind”. Não coloquei essa no top 5 porque o arquivo estava gigante e ninguém ia ter paciência de esperar para ouvir (assim que eu arrumar um menor ou conseguir diminuir esse, eu coloco aqui). Então coloquei a minha segunda preferida: Traces. A outra imperdível é Liar, mas todo o disco é muito bom.

Agora, uma banda de que todo mundo anda falando é essa tal de She Wants Revenge. Não gostei mesmo. Pareceu-me uma imitação fajuta de Interpol, uma banda que nunca me desceu bem. Além disso é 80 demais, o som é sintetizado demais. Não consegui ouvir mais que 5 músicas.

***

Além do Zoe's radio, outro podcast que eu ando ouvindo é o da Mar Sellar. Ela definitivamente não é das melhores locutoras que já cruzaram meu caminho. Inclusive recomendo urgentemente uma consulta fonoaudiólogica porque o problema de rouquidão da moça é sério. Fora isso, ela tem bom gosto e o podcast que se chama Rock on London, tem de fato rocked London. Dizem que é um sucesso por aquelas bandas.

Mas o que eu vim dizer é que eu recomendo a música que abre última edição de Rock on London. Ela se chama "I do dream you" e é da banda italiana Jennifer Gentle. Você pode escutar algumas músicas no site da banda.

(coloco o arquivo aqui em breve)

***

Para quem está em BH, não se esqueçam que hoje tem festa do Pílula Pop lá n'A Obra com as bandas Columbia (RJ) e Ímpar (BH). Evento econômico e imperdível no lugar mais quente da cidade!

Disco do Thom York, o solo, vaza na rede

Quer ouvir? Eu quero.
Baixa aqui ó.

sexta-feira, 26 de maio de 2006

Raconteurs

Que White Stripes era só o Jack White não é mistério pra ninguém. Meg White era uma figura quase que decorativa. Pelo menos cumpria seu papel muito bem. Uma baterista mulher é de encher os olhos da platéia ainda mais quando existe algum mistério em relação ao seu parentesco com frontman da banda.

Acho que finalmente agora, com os Raconteus, Jack White resolveu formar de fato uma banda, com ênfase no sentido coletivo da palavra, com toda a troca de idéias e experiências que se espera de tal tipo de formação.

As poucas músicas deles que escutei me soaram bem. Em breve escreverei aqui as minhas impressões definitivas do disco completo que saiu há pouco e se chama Broken Boy Soldiers.

Veja aqui uma entrevista com os integrantes e abaixo o clipe do primeiro single, Steady as she Goes:

Steady as she goes

quarta-feira, 24 de maio de 2006

Escute Futureheads online

Quer ouvir News And tributes, o lançamento do Futureheads?
Clica aqui!

terça-feira, 23 de maio de 2006

Lauryn Hill no Brasil

Ela tem a voz mais incrível do rap americano, é linda e é casada com o filho do Bob Marley. Lauryn Hill, que já ameaçava se apresentar no Brasil há tempos, confirmou dois shows por aqui no mês de julho: dia 14 em São Paulo e dia 15 no Rio de Janeiro. Resta saber se o show vai seguir a boa onda de Miseducation ou o drama chatérrimo do Unplugged.

segunda-feira, 22 de maio de 2006

Passatempo

Não sei como, mas cheguei aqui no everyhit.com e não consegui mais sair. Esse site tem um banco de dados com todos os singles, álbums e artitas que estiveram nas paradas. Você faz uma pesquisa, por data ou por qualquer outra coisa e descobre quem estava mandando bem e quando.

No mês em que eu nasci, o single que estava na primeira posição era Beat Surrender, do Jam (?).
Divirta-se!

quinta-feira, 18 de maio de 2006

Piadinha

Qual é a difença entre um clubber e um emo?

Você coloca os dois num quarto escuro.
O que dançar é o clubber.
O que chorar é o emo.

terça-feira, 16 de maio de 2006

She loves the Monkeys' uncle

Carta de Paolo Enryco, 19, Limeira-SP ao Folhateen ontem:

"Muito boa a matéria sobre os Arctic Monkeys. Mas ainda não consigo entender por que eles são tudo isso que a crítica diz. Eu também curto o som deles, mas não entendo qual a diferença deles em relação a bandas como os Libertines ou o Bloc Party"

Nem eu.

quinta-feira, 11 de maio de 2006

Teenage Fanclub, Diesel-U-Music, Los Hermanos, Cansei de Ser Sexy e Nação Zumbi (ufa!)

Entonces, demorou, mas voltei com algumas novidades.

***
Coluna nova no Pílula sobre o novo do Teenage Fanclub. Leia e me diz o que achou.

***
Ando me deliciando com o mico alheio no Ídolos. Mas está rolando um concurso bem mais profi que inclusive já revelou Diplo para o mundo. Para aqueles que têm o sonho de um dia virar uma estrela da música internacional, inscreva sua banda aqui no site Diesel-U-Music até o dia 25.

***
A proximidade de dois eventos musicais, com toda a cerveja que os acompanha, somada ao excesso de trabalho, foi o que me impediu de atualizar nos últimos dias.

O primeiro evento, não sei se posso chamá-lo de musical tendo em vista a acústica bizonha do Mineirinho, que deve ter sido projetada para um tipo de ouvido extraterrestre que capta ondas que o ouvido humano não escuta.

Calouradas são eventos essencialmente toscos, mas pensando em ver Los Hermanos ao vivo, resolvi ir. Se eu tivesse enfiado a cabeça numa banheira e colocado o disco deles para tocar simultaneamente ao do White Zombie, eu teria escutado melhor.

Chega de reclamar. Eu fui sabendo o que me esperava.

Aí ontem teve Cansei de Ser Sexy e Nação Zumbi. De graça. Obviamente que compareci para depois poder falar que esse tal de Cansei era uma afetação desmedida, que o sucesso deles se devia exclusivamente aos seus contatos na Folha, que a banda devia trocar o nome pra Eu Quero Ser Sexy, etc e tal.

Bom, pode até ser que os contatos na Folha tenham ajudado, mas eles têm presença, atitude punk, são até um pouco sexies, têm músicas animadas e simpáticas. O melhor é que a música deles é atual e mundial. Isso de exacerbar a brasilidade acima de tudo é muito bobo, e o Cansei consegue ser uma banda brasileira sem deixar de estar em consonância com o que passa no resto do mundo.

Então, aproveito o mesmo que disse ai em cima para o show da Nação. Que eles são bons e que foram os responsáveis por um dos maiores movimentos musicais brasileiros eu não discuto. Mas, para mim, eles estagnaram já há algum tempo e deviam aposentar e começar a lançar coletâneas dos maiores sucessos.



(enquanto isso, fico esperando as pedradas)